Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5484
Título: O DESAFIO DE SER AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE RURAL NO MUNICÍPIO DE JERÔNIMO MONTEIRO ES: UM ESTUDO NA PERSPECTIVA DA ANÁLISE INSTITUCIONAL
Autor(es): BAPTISTINI, R. A.
Orientador: FIGUEIREDO, T. A. M.
Data do documento: 2-Jul-2012
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: BAPTISTINI, R. A., O DESAFIO DE SER AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE RURAL NO MUNICÍPIO DE JERÔNIMO MONTEIRO ES: UM ESTUDO NA PERSPECTIVA DA ANÁLISE INSTITUCIONAL
Resumo: Estudo de abordagem qualitativa objetivando conhecer as formas de locomoção dos ACS na zona rural de Jerônimo Monteiro - ES. Participaram deste estudo oito sujeitos que atuam na Estratégia Saúde da Família deste município. A produção do material do estudo se deu através de entrevistas e da observação. As entrevistam foram gravadas e previamente agendadas. Quanto à observação, a mesma foi direta e registrada em um diário de campo. Após transcrição do material, buscamos através de unidades de sentido a sua categorização. A Análise Institucional norteou toda a condução deste estudo. Quanto aos resultados, podemos caracterizar os ACS como em sua maioria do sexo feminino, de cor branca, casados, de religião Católica, com ensino médio completo, idade média de 41 anos e média de oito anos atuando como ACS rural. A labuta do ACS Rural de Jerônimo Monteiro é marcada pelo tempo da seca e o tempo das águas. No período de estiagem, o principal meio de transporte utilizado pelos ACS para locomoção na zona rural é a motocicleta, seguido pelo automóvel e a bicicleta. A zona rural de Jerônimo Monteiro é caracterizada por pequenas propriedades rurais cortadas por estradas de terra batida que dão acesso aos domicílios. No tempo das águas, as 109 condições precárias de alguns acessos obrigam os ACS a reinventar sua forma de locomoção. Impulsionados pelo desejo enquanto forma de produção, a sistematização das metas daqueles ACS rurais expressão máxima dos processos de auto-análise e auto-gestão, vão se impondo através de alternativas viáveis substituir o carro pela motocicleta, abrir mão da motocicleta e adotar a bicicleta ou, então, seguir à cavalo ou mesmo à pé.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5484
Aparece nas coleções:PPGASC - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5732_.pdf2.31 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.