Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5732
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorDias Júnior, Camilo-
dc.date.accessioned2016-12-23T13:48:26Z-
dc.date.available2008-06-23-
dc.date.available2016-12-23T13:48:26Z-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/5732-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.rightsopen accessen
dc.subjectPhytoplanktoneng
dc.subjectToxineng
dc.subjectMussseleng
dc.titleDistribuição espacial e temporal da comunidade fitoplanctônica em uma área de malacocultura no município de Anchieta - ESpor
dc.typemasterThesisen
dc.subject.udc57por
dc.subject.br-rjbnToxinas - Espírito Santo (Estado)por
dc.subject.br-rjbnMolusco - Criação - Espírito Santo (Estado)por
dc.subject.br-rjbnFitoplancto - Espírito Santo (Estado)por
dcterms.abstractO presente trabalho foi realizado na região costeira próxima da área estuarina de Anchieta, ES, em uma área de malacocultura. As amostragens foram realizadas mensalmente no período de janeiro a dezembro de 2004 em 10 (dez) pontos: Rio, 1A, 1B, 1C, 2A, 2B, 2C, 3A, 3B, 3C. Foi realizada análise quali-quantitativa da comunidade fitoplanctônica e das variáveis ambientais, tais como temperatura da água, transparência, salinidade, pH e oxigênio dissolvido. Os resultados de temperatura da água e pH pouco variaram ao longo do ano. A pluviosidade interferiu na transparência da água e, portanto, foi a variável ambiental que mais influenciou na comunidade fitoplanctônica local. As diatomáceas foram as mais representativas (em análise qualitativa e quantitativa) das Classes. Os dados de densidade foram baixos se comparados a outras regiões costeiras, mas teve uma alta diversidade e equitabilidade demonstrando que a área de estudo ainda é uma região bem preservada, com poucos impactos ambientais. Os baixos valores de densidade e biovolume indicam que os mexilhões dependem muito pouco da comunidade fitoplanctônica como alimento. Em relação às espécies potencialmente tóxicas, a Classe Bacillariophyceae novamente teve a maior representatividade no número de ocorrências dos táxons ao longo do ano. As espécies fitoplanctônicas potencialmente tóxicas ainda não promovem florações, mas deve se considerar um alerta, uma vez que a população de Anchieta lançar seus efluentes domésticos no rio Benevente ou diretamente no mar. Esta pesquisa é um sub-projeto de maricultura sustentada do Projeto RECOS Milênio, financiado pelo CNPq a partir de 2004.por
dcterms.abstractThe actual paper was made in the coastol region near Anchieta estuarian area in Espírito Santo State in na malacoculture area. The samples were taken monthly from January to December 2004 in 10 (ten) points: Rio, 1A, 1B, 1C, 2A, 2B, 2C, 3A, 3B, 3C. The analysis made were both a phytoplankton comunity quali-quantitative and environmental variables as water temperature, transparency, pH, salinity, and oxigen dissolved analysis . The water temperature and pH results had little variation throughout the year. The amount of rain changed the water transparency, therefore, pluviosity was the most influencing factor in the local phytoplankton comunity. Diatom were the most significant kind ( concearning a qualitative and quantitative analysis). Density data was low compared to other beach regions, though it showed a high diversity and equitability levels, which assures the well preserved with low environment impact area. The low density and biovolume levels indicate that mussels almost do not depend on phitoplancton comunity to eat. The Bacillariophyceae kind had the most representation concearning toxic species, due to it highest numbers through the year. Phytoplankton species that are potentialy toxic still do not appear, however they should be considered dangerous, since the Anchieta city population sewing system go straight either to Beneventes River or to the sea. This research is an under project of sustain musssel culture from RECOS Milenium Project, sponsored by CNPq since 2004eng
dcterms.creatorSchaeffer, Lislane Rocha-
dcterms.formatTextpor
dcterms.issued2007-12-10-
dcterms.languagePorpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.departmentFisiologia molecular de plantaspor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Biologia Vegetalpor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqAgronomiapor
dc.publisher.courseMestrado em Biologia Vegetalpor
dc.contributor.refereeSuzuki, Marina Satika-
dc.contributor.advisor-coFernandes, Valéria de Oliveira-
Aparece nas coleções:PPGBV - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Disertacao Lislane Rocha Schaeffer.pdf4.8 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.