Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5996
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorOliveira, José Teófilo-
dc.date.accessioned2016-12-23T14:00:39Z-
dc.date.available2010-06-15-
dc.date.available2016-12-23T14:00:39Z-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/5996-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.rightsopenAccessen
dc.titleO impacto do fundo de participação dos estados nas finanças estaduais no período de 1986 a 2007por
dc.typemasterThesisen
dc.subject.udc330-
dcterms.abstractThis work studies the resources distribution of resources from the States Participation Fund (FPE) and the effect of the fund in the revenue of the states. It examines the theories of fiscal federalism in Tiebout (1956), Oates (1972, 1981, 1999) and Stiglitz (1999) and how is the evolution of Brazilian fiscal federalism. It also discusses the effects of Complementary Law nº 62, 1989, which stabilized the individual coefficients from the FPE. Thus, the allocation of transfers resources was evaluated for three periods: the end of the 1980 s, when the FPE coefficients were variable, in the 1990s, and in the period from 2000 to 2007. This analysis revealed distortions in the partition of funds resources among the states, as gains in revenue in Acre, Amapá, Roraima and Tocantins, and loss of revenue in Piauí, Maranhão, Minas Gerais and Paraná. In order to verify whether the FPE would be distributed more efficiently, it recalculated the rates of participation of each state based on criteria which operated until 1989. Finally, the effect of FPE on state finances was measured by means of panel data and pooled OLS with dummies. As a result, the fund itself discourage the collection of federal entity.eng
dcterms.abstractO estudo faz uma análise da distribuição dos recursos do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e o impacto do fundo nas receitas estaduais. Analisa as teorias sobre federalismo fiscal de Tiebout (1956), Oates (1972, 1981, 1999) e Stiglitz (1999) e a evolução do federalismo fiscal brasileiro. Discorre sobre os efeitos da Lei Complementar nº. 62 de 1989, que congelou os coeficientes individuais de participação do FPE. Para tanto, a repartição dos recursos da transferência foram avaliadas em três períodos: no final da década de 1980, anos com os coeficientes ainda variáveis; na década de 1990; e nos anos 2000 até 2007. Essa análise evidenciou as distorções na divisão do fundo entre os estados, principalmente os ganhos de receita do Acre, Amapá, Roraima e Tocantins frente à perda do Piauí, Maranhão, Minas Gerais e Paraná. Com o objetivo de verificar se o FPE seria distribuído de forma mais eficiente, recalculou-se os coeficientes individuais de participação dos estados com base nos critérios que vigoraram até 1989. Por último, foi medido, através dos modelos econométricos de dados de painel e de MQO agrupado com dummies, o efeito do FPE nas finanças estaduais. Como resultado, o fundo desestimulou a arrecadação própria desse ente federativo.por
dcterms.creatorVarejão, Silvia Buzzone de Souza-
dcterms.formattext-
dcterms.issued2009-06-02-
dcterms.languageporpor
dcterms.subjectFinanças públicaspor
dcterms.subjectFederalismopor
dcterms.subjectFundo de participação dos estadospor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Economiapor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqTeoria econômicapor
dc.publisher.courseMestrado em Economia-
dc.contributor.refereeUeda, Eurico Hideki-
dc.contributor.refereeArthmar, Rogério-
Aparece nas coleções:PPGECO - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Dissertacao Silvia BS Varejao.pdf622.83 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.