Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6333
Título: Paulo e a ekklesia de Corinto : conflitos sociais e disputas de autoridade no período paleocristão
Autor(es): Mendes, Simone Rezende da Penha
Orientador: Silva, Gilvan Ventura da
Palavras-chave: Paleocristianismo
Paulo de Tarso
Apostolado
Ekklesia
Corinto
Paleochristianity
Paul of Tarsus
Apostolate
Ekklesia
Corinth
Data do documento: 28-Mar-2012
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MENDES, Simone Rezende da Penha. Paulo e a ekklesia de Corinto : conflitos sociais e disputas de autoridade no período paleocristão. 2012. 184 f. Dissertação (Mestrado em História Social das Relações Políticas) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.
Resumo: This study aims to identify the motivation for the emergence of political conflicts in the ekklesia of Corinth, soon after its foundation in 50 A.C., by Paul of Tarsus. It highlights that the letters 1 and 2 Corinthians, written by Paul and addressed to this community between 54-60 A.C., present conflicts related to the type of conduct adopted by its members and, above all, the disputes over authority within the ekklesia, which unfold in opposition to the authority of Paul as "apostle." In the investigation of conflicts, it makes use of a methodology that relies on Content analysis and Bourdieus theoretical assumptions about the effectiveness of speech and symbolic power and thus it investigates the degree of institutionalization of Paleochristianity and models of apostolic authority in force in the 1st century. It points as results that Pauls authority was challenged because Paleochristians groups have not had only one reference of authority and that the degree of institutionalization of Paleochristianity showed itself incipient in the first half of the 1st century, characterized by the absence of well-defined boundaries among groups Jewish Christian tendency
Este estudo objetiva identificar a motivação para a emergência dos conflitos de natureza política na ekklesia de Corinto, logo após a sua fundação, em 50, por Paulo de Tarso. Destaca que as epístolas 1 e 2 Coríntios, redigidas por Paulo e endereçadas a essa comunidade entre 54-60, apresentam conflitos relacionados ao tipo de conduta adotado pelos membros e, sobretudo, a disputas por autoridade dentro da ekklesia, as quais se desdobram numa oposição à autoridade de Paulo como apóstolo . Na averiguação dos conflitos, faz uso de uma metodologia que se apoia na Análise de Conteúdo e nos pressupostos teóricos de Bourdieu acerca da eficácia do discurso e do poder simbólico, e assim investiga o grau de institucionalização do paleocristianismo e os modelos de autoridade apostólica vigentes no século I. Aponta como resultados que a autoridade de Paulo foi contestada porque os grupos paleocristãos não tinham uma referência única de autoridade e que o grau de institucionalização do paleocristianismo na metade do século I se mostrava incipiente, caracterizado pela ausência de fronteiras bem definidas entre os grupos religiosos de tendência judaico-cristã
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6333
Aparece nas coleções:PPGHIS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Simone Rezende Mendes.pdf1.6 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.