Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6463
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorSouza, Marcelo Paiva de-
dc.date.accessioned2016-12-23T14:34:17Z-
dc.date.available2007-02-08-
dc.date.available2016-12-23T14:34:17Z-
dc.identifier.citationJARESKI, Lorenza Lakimé. Distopia e subversão em o Ateneu de Raul Pompéia. 2005. 111 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2005.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/6463-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.rightsopen accesseng
dc.subjectSubversãopor
dc.subjectLiteratura distópicapor
dc.subjectO Ateneupor
dc.subjectSubversioneng
dc.subjectDystopic literatureeng
dc.titleDistopia e subversão em O Ateneu de Raul Pompéiapor
dc.typemasterThesiseng
dc.subject.udc82-
dc.subject.br-rjbnPompéia, Raul, 1863-1895 - Crítica e interpretaçãopor
dc.subject.br-rjbnLiteratura brasileira - História e críticapor
dcterms.abstractA intenção desta dissertação é estudar o romance O Ateneu, de Raul Pompéia, produzido em 1888, na efervescência da promulgação da Lei Áurea e às vésperas da Proclamação da República. O romance assume uma posição de destaque na literatura brasileira, o que se reflete na singularidade da crítica a ele dedicada. A partir da percepção do Ateneu como um mundo opressivo e da realidade interior complexa e fragmentada de seus personagens, propõe-se aqui uma leitura pelo prisma da literatura distópica. O rigoroso cumprimento das leis e regras vigentes no internato exige, de alguns personagens, para que possam sobreviver, um posicionamento dissidente, manifesto em diferentes práticas de subversão, sempre circunscritas a limites estreitos no espaço e no tempo. Emergem o sexo, o amor, a fé, a arte e as relações familiares como forças opositoras à realidade autoritária da escola. O trabalho investiga, por fim, o modo como a narrativa de Pompéia constrói caracteres cujo comportamento foge aos padrões aceitos pelo Brasil patriarcal oitocentista, em sutis indicações de ruptura com a ordem social estabelecida.por
dcterms.abstractThe purpose of this dissertation is to study the O Ateneu by Raul Pompéia, written in 1888, during the promulgation of the Slavery Abolition (Lei Áurea) and just before the Proclamation of the Republic. The novel assumes a prominent position in the Brazilian Literature what reflects on the singularity of the criticism devoted to it. After the realization of Ateneu (a boarding school) as an oppressive world and the broken and complex reality of its characters, the author of this dissertation proposes another reading of the novel, under a dystopian literature view. The evaluation broadens under the deeds of some citizens of Ateneu which suggests a dissident status. The harsh fulfillment the laws and order in force at the boarding school demands a dissident behavior, for the survival of some characters, revealed in different ways of subversion, always limited by narrow boundaries in space and time. Sex, love, faith, art and family relations emerge in opposition to the school s reality. At last, this dissertation investigates the way Pompéia s narrative builds characters whose behavior flee from the acceptable Brazilian standards of the 1800 s patriarchal society, indicating rupture of established social order.eng
dcterms.creatorJareski, Lorenza Lakimé-
dcterms.formatTexteng
dcterms.issued2005-12-09-
dcterms.languageporpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Letraspor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqLetraspor
dc.publisher.courseMestrado em Letraspor
dc.contributor.refereeAmaral, Sérgio da Fonseca-
dc.contributor.refereeSiewierski, Henryk-
Aparece nas coleções:PPGL - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Dissertacao de Mestrado - Lorenza L Jareski.pdf495.21 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.