Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6690
Título: Adesão ao tratamento fisioterapêutico : uma análise fenomenológico-semiótica da percepção de pacientes e terapeutas
Autor(es): Subtil, Marina Medici Loureiro
Orientador: Souza, Mariane Lima de
Palavras-chave: Adesão ao tratamento
Fenomenologia
Semiótica
Comunicação
Relacionamento
Fisioterapia
Reabilitação
Data do documento: 15-Jul-2010
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SUBTIL, Marina Medici Loureiro. Adesão ao tratamento fisioterapêutico : uma análise fenomenológico-semiótica da percepção de pacientes e terapeutas. 2010. 99 f. Dissertação (Mestrado em Processos Psicossociais; Processos de Desenvolvimento; Psicologia Social e Saúde) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2010.
Resumo: A adesão ao tratamento é um processo que tem recebido cada vez mais atenção dos pesquisadores das áreas de saúde nos últimos anos. De forma geral, a adesão pode ser definida como uma colaboração ativa entre o paciente e o profissional que o trata, num trabalho cooperativo para alcançar sucesso terapêutico. Contudo, a ênfase do debate tem recaído sobre a responsabilidade do paciente nesse processo; e a investigação dos fatores que sustentam a adesão tem focalizado o levantamento de dados como, por exemplo, a utilização correta dos medicamentos, a adequação da dieta alimentar, o comparecimento às visitas médicas e a outros especialistas. Especificamente na área da fisioterapia, na qual a freqüência e continuidade das sessões é fator crucial para a reabilitação do paciente, e a interrupção do tratamento pelo paciente é uma constante, são escassos os estudos so bre os fatores que determinam a adesão. Investigar as percepções sobre a adesão dos pacientes e dos profissionais que os tratam é fundamental para um entendimento qualitativo das variáveis que interferem nesse processo. O objetivo dessa pesquisa foi, portanto, compreender as percepções de pacientes e terapeutas sobre o processo de adesão ao tratamento fisioterapêutico, descrevendo mais especificamente os motivos que levam tanto à continuidade quanto à interrupção das sessões de reabilitação. Participaram 11 pacientes adultos de 25 a 73 anos, atendidos em um centro de reabilitação física do Espírito Santo, ligado ao SUS; além de quatro fisioterapeutas, uma psicóloga, uma assistente social e uma educadora física/nutricionista atuantes no mesmo local. Os proced imentos de pesquisa incluíram (a) a amostragem por conveniência dos pacientes, dos fisioterapeutas e demais profissionais e (b) a aplicação de uma entrevista semi-estruturada a todos os participantes. Os dados foram submetidos à análise a partir dos refere nciais da fenom enologia semiótica. A análise das falas foi realizada em três etapas: descrição fenomenológica, redução fenomenológica e interpretação fenomenológica. A descrição do processo de adesão foi dividida em quatro grandes áreas temáticas: a fisioterapia no centro de reabilitação, a percepção dos pacientes, a percepção dos fisioterapeutas e a percepção dos demais profissionais. A redução revelou que o fenômeno da adesão na fisioterapia para essa amostra, encontra-se estruturado em torno de três aspectos: o cuidado integral, a comunicação e as contingências sócio econômicas. A interpretação dos dados revelou que a adesão à fisioterapia trata-se de um fenômeno multifatorial, abrangendo aspectos emocionais, sociais, econômicos e até mesmo culturais, tanto dos pacientes, quanto dos profissionais envolvidos no processo de reabilitação. Discute-se, por fim, o papel fundamental da comunicação na relação terapeuta-paciente para o sucesso da fisioterapia e consequentemente do processo de adesão.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6690
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
Marina Medici Loureiro Subtil.pdf515.37 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.