Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6695
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorRodrigues, Maria Margarida Pereira
dc.date.accessioned2016-12-23T14:38:05Z-
dc.date.available2006-08-23
dc.date.available2016-12-23T14:38:05Z-
dc.identifier.citationFRAUCHES, Diana de Oliveira. Medical students and their attitudes towards AIDS. 2001. 97 f. Dissertação (Mestrado em Processos Psicossociais; Processos de Desenvolvimento; Psicologia Social e Saúde) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2001.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/6695-
dc.format.mediumtexten
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.rightsopen accessen
dc.titleEstudantes de medicina e suas atitudes em relação à Aidspor
dc.typemasterThesisen
dcterms.abstractAs atitudes de profissionais de saúde em relação à AIDS podem acarretar desvios de conduta técnica e sua avaliação na graduação possibilita eventual intervenção em um momento no qual não se concretizou a prática profissional, que poderia favorecer a cristalização de atitudes negativas. Tomando como base que atitudes conhecimento, afeto e avaliação têm origem na vida social e são largamente partilhadas e considerando que as atitudes em relação à AIDS podem estar relacionadas ao treinamento profissional, além das controvérsias existentes sobre a influência de questões relativas a gênero, amostra probabilística de 176 estudantes do primeiro e do último ano de Medicina, estratificada por inserção no curso e por sexo, foi selecionada nas duas escolas médicas do Espírito Santo, Brasil, em 2000. A Escala de Atitude sobre AIDS (AAS), desenvolvida por Shrum, Turner e Bruce, foi adaptada e aplicada aos sujeitos distribuídos em grupos segundo instituição e inserção no curso. Os resultados foram submetidos a testes estatísticos não paramétricos. Encontrou-se padrão semelhante de atitudes entre os estudantes do início do curso, nas duas instituições. Em uma das escolas, a tolerância aumentou no final do curso, em relação ao grupo do início, enquanto na outra,houve queda da tolerância e aumento da variabilidade dos escores. As variáveis religião e conhecer pessoas com HIV/AIDS , que também foram levantadas pelo instrumento, não produziram diferenças significativas nos escores. Avaliados apenas os grupos do início do curso, não foram encontradas diferenças significativas entre os sexos. Discute-se a adequação da AAS para uso em nosso meio e sugere-se a realização de estudos sobre a cultura e os projetos pedagógicos das instituições pesquisadas.por
dcterms.abstractThe attitudes of professional health workers towards AIDS may cause deviations in technical behavior and evaluating students' attitudes while they are still in graduate schools may allow eventual actions before practice starts, thus avoiding the establishment of negative attitudes. Based on the fact that attitudes knowledge, affection and evaluation have their origins in social life and are largely shared, and considering that the attitudes towards AIDS may be related to professional training, in addition to existing controversies about the influence of gender, a probabilistic sample of 176 medical students, arranged according to sex and insertion in the course, was selected from the first and last college years, belonging to both two medical schools located in Espirito Santo, Brazil. The Scale of Attitudes towards AIDS (AAS), developed by Shrum, Turner and Bruce, was adapted and applied to the studied population distributed in groups according to school and insertion in the course. The results were analyzed using statistics non-parametric tests. The freshmen attitudes from both medical schools were similar. In one of the schools, the tolerance increased among the last year students in comparison with the first year students, while it decreased in the other school, with growth of the variegation of the scores. The "religion" and "knowing HIV/AIDS people" variables, that were considered too, didn't produce significant differences. Also there were not significant differences between gender in the first year group. It is discussed the adjustment of AAS to be used in our environment. The proposal of further studies to know the pedagogical projects and culture of the schools were this research took place is considered, as well as the role of gender in the students' attitudes towards AIDS.eng
dcterms.alternativeMedical students and their attitudes towards AIDSeng
dcterms.creatorFrauches, Diana de Oliveira
dcterms.issued2001-05-28
dcterms.languageporpor
dcterms.subjectatitudepor
dcterms.subjectAIDSpor
dcterms.subjectestudantespor
dcterms.subjectattitudeeng
dcterms.subjectAIDSeng
dcterms.subjectstudentseng
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.departmentProcessos Psicossociais; Processos de Desenvolvimento; Psicologia Social e Saúdepor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Psicologiapor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA SOCIALpor
dc.contributor.refereeEnumo, Sônia Regina Fiorim
dc.contributor.refereeLeal, Eroltildes Maria
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao atitudes em relacao a aids.pdf559.51 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.