Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6884
Título: A Religião no Quadro da Modernidade: Duas Possibilidades de Abordagem a Partir da Obra de Jürgen Habermas
Autor(es): OLIVEIRA, L. P.
Orientador: LUCHI, J. P.
Data do documento: 5-Fev-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: OLIVEIRA, L. P., A Religião no Quadro da Modernidade: Duas Possibilidades de Abordagem a Partir da Obra de Jürgen Habermas
Resumo: Este trabalho consiste em uma análise sobre como Jürgen Habermas posiciona o fenômeno da religião no quadro da modernidade de acordo com uma chave de leitura que divide a configuração dessa relação na obra do autor em dois momentos. Em um primeiro momento, a abordagem proposta por Habermas assume uma inflexão que leva em conta os diferentes estágios de sociedade sem, no entanto, furtar-se a aferir os pressupostos e as consequências filosóficas do modelo teórico proposto. Parte-se da teoria de racionalidade apresentada por Habermas: são articulados o estudo da interação linguisticamente mediada e o conceito de agir comunicativo, o qual serve de ponte para uma teoria de sociedade. Em seguida, é exposta a concepção de modernidade encampada por nosso autor, de modo a dar destaque ao amadurecimento dos componentes estruturais de uma sociedade moderna. Por último, mostramos como o processo de racionalização que culmina na modernidade retira progressivamente as funções sociais estruturantes desempenhadas pela religião ao mesmo tempo em que impulsiona a formação de uma nova consciência da fé. No segundo momento, atenta-se para a permanência e a contribuição da religião para as sociedades modernas. De início, enfatizamos como Habermas articula conceitualmente a relação entre os componentes estruturais da sociedade e qual a função atribuída por nosso autor ao direito nesse processo. Em seguida, expomos a teoria habermasiana do direito, de modo a sublinhar a complementação recíproca entre o direito e a política. Mostramos então a especificidade da concepção de democracia defendida por Habermas e como ela depende de recursos cognitivos articulados comunicativamente. Nesse contexto, a religião dispõe de uma capacidade impar de trazer à baila contribuições profícuas: em uma sociedade que assumiu a forma pós-secular, é reconhecido que a religião não somente é um dos componentes da modernidade, como também dispõe de um estatuto único que lhe permite liberar teores normativos necessários à manutenção das conquistas da modernidade. Finalmente, exploramos as similitudes e as diferenças verificáveis entre as duas partes do trabalho e realizamos uma apreciação crítica dos resultados obtidos no estudo de como Habermas enxerga o enquadramento da religião pela modernidade. Palavras-chave: Habermas, Modernidade, Religião, Sociedade, Direito, Política, Pós-Secular.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6884
Aparece nas coleções:PPGFIL - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_11792_Disserta__o Lennimarx Porfirio Oliveira - PPGFIL.pdf1.07 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.