Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6930
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorMenezes, Luiz Fernando Tavares de-
dc.identifier.citationZANI, Liliane Baldan. Respostas ecofisiológicas e reprodutivas de Allagoptera arenaria (Arecaceae) às mudanças climáticas globais em ambiente de restinga. 2017. 146 f. :il. Tese (Doutorado em Biologia Vegetal) - Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/6930-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.subjectMudanças climáticas-
dc.subjectbiomassa aérea-
dc.subjectfenologia-
dc.subjectfotossíntese-
dc.subjectAllagoptera arenaria-
dc.subjectrestinga-
dc.subjectClimate change-
dc.subjectaerial biomass-
dc.subjectphenology-
dc.subjectphotosynthesis-
dc.subjectAllagoptera arenaria-
dc.titleRespostas ecofisiológicas e reprodutivas de Allagoptera arenaria (Arecaceae) às mudanças climáticas globais em ambiente de restinga.por
dc.typedoctorThesiseng
dc.subject.br-rjbnPalmeira.-
dcterms.abstractA velocidade com que mudanças no clima vem acontecendo são uma ameaça em grande escala ao meio ambiente. Não se sabe como as plantas responderão a essas mudanças, pois existem poucas informações acerca das respostas ecofisiológicas das mesmas às mudanças nos padrões de temperatura e precipitação. Dessa forma, é importante identificar as possíveis vulnerabilidades das espécies nos cenários de mudanças climáticas globais. O objetivo desse trabalho foi avaliar os efeitos isolados e combinados do aumento de temperatura (2 °C) e volume pluviométrico (25 %) na produção de biomassa, fenologia reprodutiva, trocas gasosas e fluorescência da clorofila a de Allagoptera arenaria em ambiente de restinga usando câmaras de topo aberto (open top chambers - OTC’s) adaptadas e calhas coletoras de chuva. Foram selecionados 40 arbustos de A. arenaria distribuídos em quatro tratamentos, ambiente aberto-controle (C), aumento do volume pluviométrico em 25 % (P), aumento de temperatura em 2 °C (T) e aumento de temperatura em 2 °C e volume pluviométrico em 25 % (TP). O experimento foi montado no mês de junho de 2015 e as amostragens realizadas em novembro de 2015 e em fevereiro, junho e novembro de 2016. Os resultados demonstraram que as OTC’s e as calhas foram eficazes para simular os efeitos de mudanças climáticas propostos. Os valores da variação da biomassa aérea foram maiores para o tratamento TP quando comparados ao tratamento T que, por sua vez, apresentou mais ciclos reprodutivos ao longo do período avaliado. Dessa forma foi possível verificar duas vertentes distintas entre os resultados no sentindo de produção de biomassa e produção de estruturas reprodutivas. As plantas submetidas ao tratamento TP apresentaram as maiores taxas de assimilação de CO2 (A), condutância estomática (gs), e transpiração (E) enquanto que o tratamento T apresentou as menores taxas nas amostragens inicialmente. Quanto a interação entre as variáveis fotossintéticas foi possível afirmar que nos meses de novembro/2015, fevereiro/2016 e junho/ 2016 houve a maior variação entre as variáveis de trocas gasosas, enquanto que em novembro/2016 houve poucas alterações significativas entre essas variáveis. O tratamento T apresentou considerável redução nas respostas dos transientes da fluorescência da clorofila a e o aumento do volume pluviométrico contribuiu para amenizar os efeitos do aumento de temperatura no tratamento TP. Em P não foram observadas diferenças 8 em relação ao controle para as análises realizadas. Com as mudanças climáticas é possível que, A. arenaria desenvolva mecanismos para sobreviver ao aumento de temperatura e o aumento do volume pluviométrico pode favorecer esse processo. Possíveis aumentos de temperatura futuros poderão encurtar o ciclo reprodutivo de A. arenaria na tentativa de garantir o sucesso adaptativo e evolutivo dessa espécie. No ambiente de restinga essa espécie já lida com condições adversas e a tolerância à temperatura cada vez mais altas pode ser adquirida como mecanismo de adaptação ao ambiente de crescimento alterado.por
dcterms.abstractThe speed with which climate changes are occurring is a massive threat to the environment. It is not known how the plants will respond to these changes, since there is little information about their ecophysiological responses to changes in temperature and precipitation patterns. In this way, it is important to identify the possible vulnerabilities of species in global climate change scenarios. The objective of this work was to evaluate the isolated and combined effects of temperature increase (2 °C) and rainfall volume (25 %) on biomass production, reproductive phenology, gas exchange and chlorophyll a fluorescence of Allagoptera arenaria in restinga environment open top chambers (OTC's) and rain gutters. A total of 40 A. arenaria shrubs were selected from four treatments, open-control environment (C), 25 % (P) rainfall increase, 2 °C (T) temperature increase and 2 °C and pluviometric volume in 25 % (TP). The results showed that OTC's and gutters were effective in simulating the effects of proposed climate changes. The values of aerial biomass variation were higher for the TP treatment when compared to the T treatment, which, in turn, presented more reproductive cycles throughout the evaluated period. In this way it was possible to verify two different aspects between the results in the sense of allocation between biomass and reproduction. Plants submitted to TP treatment had the highest rates of assimilation of CO2 (A), stomatal conductance (gs), and transpiration (E), while T treatment presented the lowest rates in the samplings initially. As for the interaction between the photosynthetic variables, it was possible to affirm that in the months of November/2015, February/2016 and June/2016 there was a greater variation between the variables of gas exchange, whereas in November/2016 there were few significant alterations between these variables. The treatment T presented a considerable reduction in transient responses of chlorophyll a fluorescence and the increase in pluviometric volume contributed to soften the effects of temperature increase in TP treatment. In P, no differences were observed in relation to the control for the analyzes performed. With the climatic changes it is possible that, A. arenaria develops mechanisms to survive the temperature increase and the increase of the pluviometric volume can favor this process. Possible future temperature increases may shorten the reproductive cycle of A. arenaria in an attempt to guarantee the adaptive and evolutionary success of this species. In the restinga environment, this species already deals with adverse conditions and higher 10 temperature tolerance can be acquired as a mechanism of adaptation to the altered growth environment.eng
dcterms.creatorZani, Liliane Baldan-
dcterms.formattextpor
dcterms.issued2017-12-20-
dcterms.languagePor-
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Biologia Vegetalpor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqFisiologia Vegetal-
dc.publisher.courseDoutorado em Biologia Vegetalpor
dc.contributor.refereeSilva, Diolina Moura-
dc.contributor.refereeCuzzuol, Geraldo Rogério Faustini-
dc.contributor.refereeVitória, Angela Pierre-
dc.contributor.refereeSouza, Marcelo Costa-
dc.contributor.advisor-coFalqueto, Antelmo Ralph-
Aparece nas coleções:PPGBV - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_11576_Tese_Liliane Baldan Zani_PPGBV.pdf3.31 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.