Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6956
Título: A Percepção dos Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal da Atenção Básica Sobre a Política Nacional de Educação Permanente Implementada na Região Metropolitana de Vitória - Es
Autor(es): MACEDO, L. R.
Orientador: PACHECO, K. T. S.
Coorientador: ESPOSTI, C. D. D.
Palavras-chave: Educação Continuada
Política de Saúde
Atenção Básica
Odon
Data do documento: 20-Dez-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MACEDO, L. R., A Percepção dos Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal da Atenção Básica Sobre a Política Nacional de Educação Permanente Implementada na Região Metropolitana de Vitória - Es
Resumo: Introdução: A proposta da Educação Permanente em Saúde (EPS) implantada no Brasil destaca a importância do potencial educativo do processo de trabalho para a transformação da prática dos profissionais da área da saúde. A EPS na atenção básica é importante devido à necessidade de garantir a universalidade e a integralidade do Sistema Único de Saúde. Objetivo: Analisar a percepção dos Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal (ASBs/TSBs) sobre a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde implementada para as Equipes de Saúde Bucal da Região Metropolitana da Grande Vitória, Espírito Santo, que atuavam na atenção básica entre 2007 e 2012. Metodologia: Estudo com abordagem qualitativa, cuja construção dos dados foi realizada por meio de um grupo focal. A discussão entre os sujeitos da pesquisa durante o grupo focal foi gravada e transcrita na íntegra e de forma literal, e analisada segundo a Análise de Conteúdo Temática. Resultados: As ASBs/TSBs não compreendiam a EPS e não a visualizavam na prática em serviço. Viam a mesma como cursos rápidos e pontuais. Mencionaram que antigamente os cursos e as rodas aconteciam com maior frequência. Citaram o número elevado de atendimentos, o que impossibilitava a ausência do consultório e participação em outras atividades, a desvalorização da profissão, e a prioridade para os dentistas. Conclusão: As ASBs/TSBs não enxergaram a implantação dessa política no seu dia a dia nem tampouco no seu local de trabalho, associando essa ausência a: falta de tempo, desvalorização da profissão, gestão da unidade e a escolha do próprio profissional.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6956
Aparece nas coleções:PPGCO - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_11590_Disserta__o Lygia Rostoldo Macedo -Vers_o Defesa.pdf736.97 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.