Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7133
Título: Bioatividade de fitocompostos da Aloe vera barbadensis em modelos de psoríase In Vitro e In Vivo
Autor(es): AMORIM, G. M.
Orientador: RANGEL, L. B. A.
Palavras-chave: Psoríase
Aloe vera
chemerina
aloeresina e acemannan
Data do documento: 21-Jul-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: AMORIM, G. M., Bioatividade de fitocompostos da Aloe vera barbadensis em modelos de psoríase In Vitro e In Vivo
Resumo: Psoríase é uma doença inflamatória crônica, autoimune que atinge 2-3% da população mundial. Nas fases iniciais de desencadeamento da doença, estudos mostram que a proteína chemerina exerce um papel fundamental. A Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME) propõe o uso tópico com fins terapêuticos do extrato vegetal da Aloe vera barbadensis contra a psoríase por suas propriedades imunomoduladoras e anti inflamatórias. Para investigação de tais efeitos, o presente trabalho reproduziu um modelo murino In Vivo com fenótipo semelhante à psoríase via aplicação tópica do fármaco imiquimode (IMQ), tratando os animais com creme de Aloe vera à 70% e comparando-os aos controles. Adicionalmente, biopsias da pele dos animais foram testadas quanto à atividade enzimática da mieloperoxidase (MPO) como indicativo de atividade neutrofílica. O modelo In Vitro, utilizou linhagens celulares de queratinócitos imortalizados para avaliação do potencial cicatricional do extrato concentrado 200:1 em pó liofilizado (AVFDE) via Ensaio do Arranhão. Fibroblastos primários dermais humanos foram usados para avaliar o potencial modulador sobre a expressão constitutiva da chemerina e de três citocinas pró-inflamatórias em seus sobrenadantes frente ao uso de AVFDE e cinco fitoconstituintes incluindo o polissacarídeo Acemannan (ACM). Para tal, empregou-se o método ELISA e a citometria de fluxo. O fenótipo psoríasico humano em camundongos via indução por IMQ foi parcialmente reproduzido. A atividade (MPO) mostrou-se menor em animais tratados topicamente com o creme de Aloe vera à 70%. In Vitro observou-se que o AVFDE 50ug/ml reduziu a expressão da quimiocina MCP-1 e à 250ug/ml elevou a expressão de IL-8. ACM 250ug/ml aumentou os níveis de expressão de IL-8 e IL-6. Acemannan (ACM) nas duas concentrações testadas reduziu significativamente a expressão de chemerina. Aloeresina A na concentração 20uM elevou a expressão de IL-6. Nenhum fitoesterol nas concentrações testadas elicitou efeitos sobre os níveis de expressão das citocinas ou da chemerina. Os resultados sugerem que o uso terapêutico com objetivos imunoestimulador e anti inflamatório do extrato do Aloe vera precisa ser melhor avaliado, mas demonstra potencial no tratamento nas fases iniciais da psoríase desde que sejam padronizados os teores mínimos de fitocompostos bioativos como o Acemannan nas apresentações farmacêuticas comercializadas.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7133
Aparece nas coleções:PPGBIO - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10327_Tese Doutorado_Gustavo Amorim.pdf3.05 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.