Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7157
Título: Alterações craniofaciais e tomográficas em pessoas atingidas pela hanseníase atendidas no Programa de Unidade Básica de Saúde e no Hospital Colônia Pedro Fortes, Cariacica (ES), Brasil
Autor(es): Serafim, Rachel Azevedo
Orientador: Deps, Patrícia Duarte
Palavras-chave: Deformidades nasais adquiridas
Data do documento: 10-Abr-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SERAFIM, Rachel Azevedo. Alterações craniofaciais e tomográficas em pessoas atingidas pela hanseníase atendidas no Programa de Unidade Básica de Saúde e no Hospital Colônia Pedro Fortes, Cariacica (ES), Brasil. 2017. 118 f. Dissertação (Mestrado em Doenças Infecciosas) - Programa de Pós-Graduação em Doenças Infecciosas, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2017.
Resumo: Introdução: Hanseníase é doença infectocontagiosa, causada pelo Mycobacterium leprae, e, mais recentemente descrito, Mycobacterium lepromatosis, de evolução lenta, que se manifesta principalmente por meio de sinais e sintomas dermatoneurológicos. Além de afetar a pele e os nervos periféricos, também pode comprometer os tecidos nasais, olhos, testículos e ossos. Deformidades esqueléticas faciais e de extremidades são marcadores históricos e parte do estigma dessa doença. Objetivo: Estudar as alterações craniofaciais da hanseníase. Métodos: Foi realizado um estudo série de casos, no qual foram avaliados 55 pacientes, 26 ex-hansenianos do Hospital Colônia Pedro Fontes e 29 hansenianos atendidos na Unidade Básica de Saúde de Jardim América, ambos em Cariacica (ES), no período de setembro de 2015 a dezembro de 2016. Os participantes foram submetidos a um questionário com dados epidemiológicos, avaliação otorrinolaringológica e, quando necessário, exame tomográfico. Verificou-se associação entre algumas variáveis com alterações nasais/faciais clínicas e radiológicas, como: sexo, idade, tempo de demora no diagnóstico da hanseníase, classificação da hanseníase, grupo de participantes, face hansênica. Resultados: Dos principais resultados encontrados, destacam-se: dez (18,2%) pacientes apresentaram características de face hansênica, nove (16,4%) apresentavam a projeção da ponta nasal menor que o normal, 12 (21,8%) não tinham sustentação da ponta nasal e nove (16,4%) não tinham sustentação do dorso nasal, sendo que a columela se apresentou diminuída em 14 (25,5%). Quanto aos achados tomográficos dos 38 pacientes avaliados, verificou-se que os ossos próprios nasais estavam alterados em nove (23,6%), havia reabsorção da espinha nasal anterior (parcial ou total) em 21 (55,2%) e perfuração septal em cinco (13,2%), sendo que 16 (42,1%) apresentaram atrofia de cornetos inferior e médio. Além disso, entre os dentados superiores (com três ou mais incisivos superiores), apenas um (2,6%) apresentava reabsorção parcial com exposição radicular do processo alveolar da maxila, enquanto entre os desdentados 27 (71%) apresentavam reabsorção (parcial ou até processo palatino), 28 (73,7%) haviam perdido todos os quatro incisivos superiores. Conclusões: Alterações ósseas e na espinha nasal anterior e processo alveolar da maxila foram frequentes. Entretanto, alterações dos ossos próprios nasais foram observadas apenas nos vichowianos. O tempo médio do aparecimento da primeira lesão até o diagnóstico da doença foi de 28,69 meses, o que sugere o diagnóstico ainda tardio da hanseníase. A perfilometria mostrou alterações. Porém, não há estudos sobre este assunto em hansenianos que permita comparações. Alterações nasais estavam presentes em 5,5% a 36,4% dos pacientes. As alterações tomográficas variaram de 9% a 70%, dependendo da estrutura, sendo mais prevalentes nos virchowianos e em pacientes com mais de dez anos de diagnóstico da doença. Quadros avançados clinicamente foram evidenciados no exame de imagem. O exame radiológico contribuiu e confirmou os achados otorrinolaringológicos, evidenciando a importância dos dois exames nos pacientes com hanseníase ou ex-portadores da doença.
Introduction: Leprosy is an infectious disease caused by Mycobacterium leprae, and, more recently, Mycobacterium lepromatosis, a slow evolution, manifested mainly by dermatoneurological signs and symptoms. In addition to affecting the skin and peripheral nerves, it can also compromise the nasal tissues, eyes, testicles and bones. Skeletal facial and extremity deformities are historical markers and part of the stigma of this disease. Objective: To study craniofacial changes in leprosy. Methods: A case series study was carried out. Fifty-five patients were evaluated, 26 ex-leprosy from the Pedro Fontes Hospital and 29 leprosy patients from the UBS of Jardim América, Cariacica/ES, from September 2015 to December 2016. They were submitted to a Questionnaire with epidemiological data, otolaryngological evaluation and tomographic examination, when necessary. We attempted to correlate some variables with nasal / facial changes clinically and radiologically such as: gender, age, delay time in the diagnosis of leprosy, classification of leprosy, group of participants, leprosy face characteristics. Results: Of the main results found, ten (18.2%) patients presented features of the leprosy face, nine (16.4%) had nasal tip projection smaller than normal, 12 (21.8%) had no nasal tip support, nine (16.4%) had no nasal dorsal support, and the columella was reduced in 14 (25.5%). Regarding the tomographic findings of the 38 patients evaluated, the nasal bones were altered in nine (23.6%), there was resorption of the anterior (partial or total) nasal spine in 21 (55.2%) and septal perforation In five (13.2%), and 16 (42.1%) had lower and middle atrophy of the turbinates. In addition, between the toothed teeth (with three or more upper incisors) only one (2.6%) presented partial resorption with root exposition of the alveolar maxilla process, about upper toothless 27 (71%) presented resorption (partial or even palatal process), and 28 (73.7%) had lost all four upper incisors.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7157
Aparece nas coleções:PPGDI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_11989_RACHEL_SERAFIM_2018_pos_defesa_2.pdf1.94 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.