Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7159
Título: Strongyloides venezuelensis Brumpt, 1934: AVALIAÇÃO DE ALGUNS ASPECTOS DO CICLO INDIRETO
Autor(es): ROSSI, D. G.
Orientador: Pereira, FEL
Data do documento: 17-Mai-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: ROSSI, D. G., Strongyloides venezuelensis Brumpt, 1934: AVALIAÇÃO DE ALGUNS ASPECTOS DO CICLO INDIRETO
Resumo: Introdução. Strongyloides venezuelensis (Brumpt, 1934), tem sido utilizado como modelo experimental da estrongiloidíase e apresenta ciclo de vida complexo e mal conhecido, com alternância de gerações de vida parasitária e de vida livre. Muitos aspectos de sua biologia não estão esclarecidos, principalmente quanto à existência de machos de vida livre. Objetivos. Verificar quais fatores, ligados ao hospedeiro ou ao ambiente de cultivo, podem influenciar no desenvolvimento de adultos de vida livre no ciclo indireto do parasito. Métodos. Foram avaliados fatores ambientais, tais como: (a) cultivos em vermiculita e placas de ágar (Koga ágar) e; (b) temperatura de cultivo. Quanto aos fatores do hospedeiro, foram avaliados: (c) infecção experimental do parasito em camundongos suíços, ratos Wistar, gerbilos e ratos híbridos do cruzamento de ratos Wistar com ratos selvagens; (d) idade do hospedeiro; (e) quantidade de larvas inoculadas e; (f) sensibilização prévia às larvas por inoculação. Também foi avaliada a capacidade de manutenção do ciclo indireto do parasito por acompanhamento das culturas positivas para fêmeas de vida livre por períodos de tempo mais longos, além da clonagem de fêmeas de vida livre como objetivo de verificar se fêmeas partenogenéticas podem ou não manter o ciclo de vida livre. Resultados e Conclusões. (1) Machos de vida livre de primeira geração foram ausentes nas diferentes condições de cultura de fezes, mantidas por três dias, originadas dos hospedeiros utilizados. (2) A frequência de fêmeas de vida livre nos cultivos das amostras de fezes dos diversos hospedeiros foi baixa nas diferentes condições de cultivo, exceto quando fezes de ratos híbridos selvagens foram submetidas à redução da temperatura (6°C) antes da incubação a 28ºC, quando a frequência daquelas fêmeas aumentou significativamente. (3) As fêmeas de vida livre de primeira geração foram capazes de manter o ciclo heterogônico do nematoide, inclusive com aparecimento de machos em gerações posteriores. (4) O ciclo de vida livre de S. venezuelensis foi mantido no laboratório, em repiques sucessivos, aparentemente por fêmeas de vida livre partenogenéticas.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7159
Aparece nas coleções:PPGDI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_12183_DISSERTAÇÃO FINAL DEBORA GOLDNER ROSSI.pdf1.44 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.