Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7235
Título: PRÁTICAS DE ESCOLARIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO ESPÍRITO SANTO: O GRUPO ESCOLAR BERNARDINO MONTEIRO (1908-1925)
Autor(es): LIMA, L. P.
Orientador: SCHNEIDER, O.
Data do documento: 13-Mar-2013
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: LIMA, L. P., PRÁTICAS DE ESCOLARIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO ESPÍRITO SANTO: O GRUPO ESCOLAR BERNARDINO MONTEIRO (1908-1925)
Resumo: Busca compreender a implantação do Grupo Escolar Bernardino Monteiro no município de Cachoeiro de Itapemirim e o lugar da Educação Física que começava a se constituir como disciplina na escolarização capixaba. Objetiva investigar os discursos, as práticas e os processos constituintes do modelo de grupo escolar e os dispositivos que permitem a Educação Física ser incorporada aos saberes escolares dessa instituição. A periodização deste estudo se faz entre os anos de 1908 e 1925, momento em que os presidentes do Espírito Santo eram de Cachoeiro de Itapemirim. As fontes utilizadas na investigação foram os livros das bibliotecas e os arquivos municipais, documentos do Arquivo Público Estadual, o impresso O Cachoeirano, entrevistas e imagens sobre o grupo escolar. Ao analisar o objeto de pesquisa pela sua forma, organização, estrutura e dispositivos opta por adotar, como base teórica, alguns autores como Micheal de Certeau, Roger Chartier e Carlo Ginzburg, os quais ajudam a problematizar as narrativas já produzidas acerca da História da Educação do Espírito Santo por meio da teoria da História Cultural. O Grupo Escolar Bernardino Monteiro representou um avanço no plano educacional da cidade, assim como contribuiu para a urbanização e o imaginário social cachoeirense. Sobre as práticas produzidas nesse espaço escolar, esta pesquisa destaca as problematizações feitas em torno de atividades como o escotismo, percebido como prática introduzida e que de certa forma substituiu a Educação Física e a ginástica naquela escola, nas décadas de 1910 e 1920. Foi possível observar, pelo escotismo, a implementação de uma educação que pretendia atender ao panorama republicano, com ações que visassem à regeneração, à moralização dos costumes e à modernização da cidade por meio da civilidade e do sentimento patriótico dos alunos.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7235
Aparece nas coleções:PPGEF - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_6361_Lidiane Picoli - Final (revisada)20150608-180223.pdf4.66 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.