Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7474
Título: Modelos Cosmológicos na teoria de Rastall
Autor(es): MAHAMADOU, H. D.
Orientador: J. C. Fabris
Palavras-chave: Gravitação
Relatividade Geral
Data do documento: 29-Mar-2012
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MAHAMADOU, H. D., Modelos Cosmológicos na teoria de Rastall
Resumo: A teoria de Rastall é uma modificação da teoria da relatividade geral que conduz a uma ex-pressão diferente da usual para a lei de conservação no setor da matéria. Recentemente tem-se discutido que tal teoria pode ter aplicações ao problema da energia escura, já que um fluido sem pressão pode conduzir à aceleração do universo. Nesse trabalho confrontamos a teoria de Rastall com os dados do espectro de potência. Os resultados indicam uma configuração que reduz essencialmente a teoria de Rastall à relatividade geral, a menos que a lei de conservação não-usual se refira a um campo escalar, situação onde outras configurações seriam eventual-mente possíveis. Uma unificação de energia escura e matéria escura, é obtida se um campo escalar de interação não-canônica, inspirado pela teoria de Rastall da gravidade, for imposto. Neste caso, é possível uma concordância com os testes de fundo e com o espectro de potência. Investigamos a evolução do potencial gravitacional na teoria de Rastall com campo escalar. Para um modelo de uma única componente, a teoria de perturbação, no calibre newtoniano, é consistente somente para γ = 1, que é o limite da relatividade geral. Por outro lado, é possível ter um modelo consistente com γ ≠ 1 quando uma outra componente, sob a forma de um fluido perfeito, é introduzida. Introduzimos nesta teoria um modelo de dois fluidos, uma das componentes representando a energia do vácuo e a outra a matéria sem pressão (por exemplo, bárions mais a matéria escura fria). O cenário cosmológico é o mesmo que para o modelo de ΛCDM, no fundo e a nível perturbativo linear, a exceção de um aspecto: agora a energia escura pode aglomerar-se. Especulamos que isto pode conduzir à possibilidade de distinguir o modelo de Rastall do ΛCDM a nível perturbativo não-linear.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7474
Aparece nas coleções:PPGFIS - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5738_.pdf2.31 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.