Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7623
Título: Bioacessibilidade in vitro de compostos fenólicos microencapsulados do fruto Jussara (Euterpe edulis Martius) e aplicação em sistema-modelo de gelatina
Título(s) alternativo(s): In vitro bioaccessibility of microencapsulated phenolic compounds of the jussara fruit (Euterpe edulis Martius) and application in gelatine model-system
Autor(es): Bernardes, Andressa Ladeira
Orientador: Costa, André Gustavo Vasconcelos
Coorientador: Tostes, Maria das Graças Vaz
Careta, Francisco de Paula
Data do documento: 20-Jul-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: BERNARDES, A. L., Bioacessibilidade in vitro de compostos fenólicos microencapsulados do fruto Jussara (Euterpe edulis Martius) e aplicação em sistema-modelo de gelatina.
Resumo: O fruto jussara (Euterpe edulis Martius) é rico em compostos fenólicos e antocianinas, que são potentes antioxidantes com efeitos benéficos na saúde. As antocianinas são pigmentos solúveis, sendo utilizadas como corantes naturais pela indústria de alimentos, em substituição aos corantes artificiais. As antocianinas são instáveis em pH acima de 4,0, podendo ser mais degradadas, o que reduz sua bioacessibilidade. A tecnologia de microencapsulamento pode ser uma ferramenta útil para melhorar a estabilidade de polifenois e antocianinas, proporcionando uma maior bioacessibilidade. O objetivo deste estudo foi analisar a bioacessibilidade de compostos fenólicos e antocianinas microencapsuladas do fruto jussara, por meio de digestão in vitro e posterior aplicação em sistema-modelo de gelatina. Foi realizada análise de composição centesimal da polpa do fruto. Os compostos fenólicos e antocianinas da polpa do fruto jussara (PO) foram extraídos e microencapsulados com maltodextrina (MD), inulina (IN) e goma arábica (GA). Realizou-se a digestão in vitro da polpa de jussara e dos microencapsulados, e posterior aplicação dos microencapsulados em sistema-modelo de gelatina. Foram realizadas análises físico-quimicas (atividade de água - aw, solubilidade, pH, polifenois e antocianinas totais, capacidade antioxidante e diferença global de cor). Aplicou-se análise de variância (ANOVA), complementada com teste de Dunnet, para comparar os microencapsulados com a polpa (p<0,05). O teste de Tukey foi utilizado para comparação entre as microcápsulas (p<0,05). A constante de degração (k) e o tempo de meia-vida (t ½) foram obtidos a partir da análise de regressão, assumindose como modelo de primeira ordem. As microcápsulas apresentaram aw de 0,35 - 0,57, solubilidade de 99% e pH<4,0. A bioacessibilidade de antocianinas entre os tratamentos foi maior para PO (24,90%), sendo seguida por GA (24,67%), IN (19,28%) e MD (18,71%), porém não diferindo entre si. No entanto, para o conteúdo fenólico, a GA (44,65%) apresentou um maior percentual de recuperaçãocomparada à PO (30,32%; p<0,05). No sistema-modelo de gelatina o valor de k das antocianinas foi maior para GA (0,0047), sendo seguido por MD (0,0043) e IN (0,0039). Para os compostos fenólicos a constante de degradação seguiu a ordem: MD (0,0153) > IN (0,0114) > GA (0,0052). Os parâmetros de cor (L*, a*, b*, C*, hº e ΔE*) mostraram tendência de cor do vermelho ao azul, exceto para GA que exibiu tonalidade mais amarela (hº). Ao longo de 72 horas não foi observada diferença de cor nos tratamentos. A bioacessibilidade in vitro de antocianinas, compostos fenólicos foi semelhante em todas as amostras microencapsuladas. A incorporação de microencapsulados com inulina é promissora, pois conferiu proteção ao pigmento e cor característica ao longo do armazenamento.
The fruit jussara (Euterpe edulis Martius) is rich in phenolic compounds and anthocyanins, which are strong antioxidants and bring beneficial effects on health. Anthocianins are soluble pigments, they are used as natural colors in some products by the food industry as an alternative for artificial colorants. Anthocyanins are unstable at pH above 4.0 and may be more degraded, which reduces their bioaccessibility. Microencapsulation technology can be a useful tool to improve the stability of polyphenols and anthocyanins, providing greater bioaccessibility. The aim of this study was to analyze the bioaccessibility of phenolic compounds and microencapsulated anthocyanins of the Jussara fruit, through the in vitro digestion and later application in gelatine model system. An analysis of the centesimal composition of the fruit pulp was performed. The phenolic and anthocyanin compounds of the jussara fruit pulp (PO) were extracted and microencapsulated with maltodextrin (MD), inulin (IN) and gum arabic (GA). The in vitro digestion of jussara pulp and microencapsulated was made, and successive application of the microencapsulated in gelatine model system. Physicochemical analyzes (water activity - aw, solubility, pH, total polyphenols and anthocyanins, antioxidant capacity and overall color difference) were also executed. An analysis of variance (ANOVA), complemented with Dunnet's test, was applied to compare the microencapsulated with the pulp (p <0.05). The Tukey test was used to compare the microcapsules (p <0.05). The degration constant (k) and the half-life (t ½) were obtained by regression analysis, assuming it as a first-order model. The microcapsules showed aw 0.35-0.57, solubility of 99% and pH <4.0. The bioaccessibility of anthocyanins was higher for PO (24.90%), followed by GA (24.67%), IN (19.28%) and MD (18.71%), but there were no statistic differences between them. However, for the phenolic content, GA (44.65%) presented a higher percentage of recovery compared to PO (30.32%; p <0.05). In the gelatin model system the anthocyanin degradation constant (k) was higher in GA (0.0047), followed by MD (0.0043) and IN (0.0039). For phenolic compounds the degradation constant followed the order: MD (0.0153) > IN (0.0114) > GA (0.0052). The color parameters (L *, a *, b *, C *, h° and ΔE *) showed a color trend from red to blue, except for GA that showed a more yellow (h°). During the 72 hours, no color difference was observed in the treatments. The in vitro bioaccessibility of anthocyanins and phenolic compounds were similar in all microencapsulated samples. The incorporation of microencapsulated anthocyanins with IN is promising, as it gave protection to the pigment and specific color throughout the storage.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7623
Aparece nas coleções:PPGCTA - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_10117_Resumo Final de Dissertação - Andressa ladeira Bernardes..pdf73.03 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.