Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7642
Título: RESGATE E PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE Lecythis pisonis CAMBESS POR ESTAQUIA
Autor(es): BERNARDES, V. P.
Orientador: WENDLING, I.
GONCALVES, E. O.
Palavras-chave: 1
Sapucaia
2
Auxina
3
Estacas
4
Brotações epicórmicas
Data do documento: 11-Ago-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: BERNARDES, V. P., RESGATE E PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE Lecythis pisonis CAMBESS POR ESTAQUIA
Resumo: A sapucaia (Lecythis pisonis Camb.) é uma espécie nativa que apresenta longo período de juvenilidade, curta viabilidade das sementes e dificuldade na coleta dos frutos, características que justificam o estudo de técnicas de propagação vegetativa, como a estaquia. Por essa razão, objetivou-se no presente estudo, avaliar a capacidade de formação de raízes em estacas caulinares, tratadas com ácido indol-3-butírico (AIB), obtidas de oito árvores de sapucaia localizadas no estado do Espírito Santo, bem como avaliar a eficiência da técnica de resgate vegetativo por galhos destacados de árvores adultas. A pesquisa foi dividida em dois experimentos, sendo que no primeiro objetivou-se avaliar o potencial de enraizamento de estacas herbáceas e semilenhosas (com folha) de 7 a 12 cm de comprimento retiradas de matrizes em fase de transição, localizadas no município de Jerônimo Monteiro, e de matrizes adultas localizadas em Cachoeiro de Itapemirim, Alegre e Linhares-ES, sendo que das matrizes desse último município, além das estacas anteriores foram confeccionadas estacas lenhosas (sem folhas). As estacas foram tratadas com AIB (0; 2000; 4000; 6000 e 8000 mg Kg-1) e seguiu delineamento em blocos casualizados, com quatro repetições e 10 estacas por parcela. Após 120 dias em casa de vegetação, com sistema de irrigação, do tipo intermitente foi analisado a porcentagem de calos e sobrevivência de estacas. Os dados foram submetidos a análise de variância para verificar a diferença significativa entre as médias e se os fatores exerciam influência em alguma variável dependente. No segundo experimento avaliou-se a emissão de brotações epicórmicas em galhos destacados das matrizes adultas selecionadas para o experimento anterior. Para tanto, galhos de 60 cm de comprimento, retirados da copa da árvore, foram seccionados e levados para casa de vegetação, onde permaneceram por 60 dias. Após esse período verificou-se o número das brotações epicórmicas formadas nos galhos. Os resultados demonstraram mortalidade das estacas herbáceas e semilenhosas, porém, uma estaca herbácea retirada da matriz juvenil permaneceu viva e com folha, sendo a única com presença de raiz, e dessa mesma matriz 80,5% das estacas herbáceas tiveram a presença de calo. Observou-se 52,75% de estacas lenhosas sobreviventes oriundas das matrizes adultas. Conclui-se que a queda precoce das folhas em estacas herbáceas e semilenhosas favorece a mortalidade das mesmas, enquanto as estacas lenhosas apresentam elevado percentual de sobrevivência. As concentrações de AIB não proporcionaram efeito significativo sobre a formação de calos de estacas herbáceas juvenis e na sobrevivência de estacas lenhosas de matrizes adultas. O material vegetativo utilizado no resgate à juvenilidade mostrou-se viável para a formação de brotações, no entanto, o potencial de enraizamento desses brotos precisa ser avaliado.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7642
Aparece nas coleções:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10148_Dissertação_Vanessa Pimentel Bernardes_2016.pdf2.17 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.