Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7677
Título: ESTABELECIMENTO E MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE SAPUCAIA (Lecythis pisonis CAMBESS)
Autor(es): MELLO, T.
Orientador: GONCALVES, E. O.
Palavras-chave: 1
Plantas Propagação in vitro
2
Crescimento (Plantas)
Data do documento: 27-Fev-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MELLO, T., ESTABELECIMENTO E MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE SAPUCAIA (Lecythis pisonis CAMBESS)
Resumo: A espécie Lecythis pisonis Cambess, conhecida popularmente como sapucaia, apresenta grande potencial para uso ornamental, produção de castanhas e madeira, sendo indicada para reflorestamento por ser uma espécie clímax e por atrair a fauna. Porém, apresenta baixa produção de frutos, e dificuldade na obtenção e germinação das sementes, limitando a propagação seminífera da espécie. Assim, a propagação vegetativa in vitro se apresenta como uma técnica a ser testada, visto que ela possibilita plantas livre de patógenos. Portanto, o objetivo deste estudo foi propagar in vitro segmentos caulinares de L. pisonis. O estudo foi dividido em quatro partes: i) minijardim seminal; ii) desinfestação dos segmentos caulinares; iii) indução de brotações in vitro; e iv) enraizamento in vitro. Para a montagem do minijardim seminal, as mudas com dois anos de idade foram transplantadas para vasos e feito o processo de revigoramento. Foram realizadas coletas mensais e contabilizada a produtividade das minicepas. No desenvolvimento do protocolo de desinfestação foram feitos três experimentos, onde foram testadas diferentes concentrações e tempo de exposição ao hipoclorito de sódio (NaOCl), e diferentes concentrações e método de aplicação de amoxicilina®. No processo de indução de brotações foram montados dois experimentos, testando diferentes concentrações de 6-benzilaminopurina (BAP), cinetina (CIN) e os meios de cultura WPM e MS. Para o enraizamento, foram analisadas diferentes concentrações de ácido indol-3-butírico (AIB) com diferentes tempos de exposição a um estresse térmico de 40 °C. Todos os experimentos foram conduzidos em delineamento inteiramente casualizados, foi realizada a análise de variância e a análise estatística pertinente a cada caso. Com os resultados obtidos do minijardim, foi possível identificar que os meses mais quentes do ano, principalmente dezembro, foram os de maior produtividade média das minicepas, com uma correlação positiva da produtividade com a temperatura mensal média da região. Para a desinfestação do material vegetativo, os melhores resultados foram a imersão dos explantes em NaOCl a 3% e em amoxicilina® a 3000 mg L-1, por 20 minutos cada. Quanto a indução de brotações, o meio de cultura MS suplementado com BAP (0,25 mg L-1) diferenciaram dos demais, obtendo as melhores médias nas características avaliadas. E o enraizamento ocorre com AIB (1 mg L-1), não sendo necessário adotar estresse térmico. A propagação in vitro de sapucaia é possível com as técnicas utilizadas nesse trabalho. Porém, necessita de mais estudos e aprimoramento das técnicas na espécie para produção de mudas em larga escala, além de estudos quanto a aclimatação das plântulas. Palavras-chave: sapucaia, cultivo in vitro, micropropagação, desinfestação, minijardim seminal, regulador de crescimento.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7677
Aparece nas coleções:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_11762_Dissertação TAMYRIS 2018-Final.pdf2.47 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.