Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7693
Título: INFLUÊNCIA DE DISTÚRBIOS ABIÓTICOS NA QUALIDADE DA MADEIRA DE EUCALIPTO PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE
Autor(es): SILVA, A. P. C.
Orientador: OLIVEIRA, J. T. S.
Coorientador: VIDAURRE, G. B.
Palavras-chave: 1
Eucalipto
2
Estresse abiótico em plantas
3
Interação
Data do documento: 26-Fev-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SILVA, A. P. C., INFLUÊNCIA DE DISTÚRBIOS ABIÓTICOS NA QUALIDADE DA MADEIRA DE EUCALIPTO PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE
Resumo: CÂMARA, Ana Paula. Influência de distúrbios abióticos na qualidade da madeira de eucalipto para produção de celulose. 2016. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro ES. Orientador: Prof. D. Sc. José Tarcísio da Silva Oliveira, Coorientadora: Profª. D. Sc. Graziela Baptista Vidaurre. A sustentabilidade produtiva da eucaliptocultura é ameaçada quando ocorrem doenças e desordens de crescimento, que podem ser de origem abiótica e, comprometer a qualidade da madeira, decorrentes das adversas condições ambientais. Com isso, teve-se por objetivo avaliar a influência de diferentes níveis de distúrbios abióticos na madeira de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla para produção de polpa celulósica e, agrupá-los de acordo com as similaridades das variáveis. Foram coletadas árvores aos 7 anos de idade, nos municípios de Imperatriz e Vila Nova dos Martírios, Maranhão, Brasil e, classificadas conforme severidade dos sintomas visualmente observados. Os resultados das caracterizações dendrométrica, anatômica, química e densidade, bem como parâmetros de polpação Kraft da madeira foram comparados, e permitiram concluir que a intensidade dos sintomas de distúrbios alterou a qualidade da madeira para celulose. Destaca-se que, para o nível mais severo de distúrbio, foram obtidos os melhores resultados para variáveis dendrométricas, densidade básica, diâmetro vascular, fibras e consumo específico de madeira. Não foram observadas diferenças significativas nos teores de lignina e pentosanas em função da ocorrência do distúrbio abiótico. A utilização de técnicas de análise multivariada permitiu identificar a variabilidade das propriedades da madeira, tendo as características das fibras, o comprimento e espessura de parede, maior importância em pontuar as divergências dos níveis de distúrbio abiótico. Com o agrupamento, formaram-se dois grupos: um com junção dos níveis I e II de distúrbio abiótico e outro, com o nível III, sendo possível inferir que a homogeneização dos materiais, conforme o agrupamento, tende a melhorar o volume e a densidade de madeira produção de polpa celulósica.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7693
Aparece nas coleções:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_9513_Ana Paula Câmara da Silva 2016.pdf1.41 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.