Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7742
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorMARTINS, C. B.
dc.date.accessioned2018-08-01T22:56:48Z-
dc.date.available2018-08-01
dc.date.available2018-08-01T22:56:48Z-
dc.identifier.citationLIMA, A. G., Efeitos da Utilização de Fenilbutazona e Meloxicam no Desenvolvimento de Folículos Pré-ovulatórios em Éguaspor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/7742-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleEfeitos da Utilização de Fenilbutazona e Meloxicam no Desenvolvimento de Folículos Pré-ovulatórios em Éguaspor
dc.typemasterThesisen
dc.contributor.memberNUNES, L. C.
dcterms.abstractFármacos anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs), como meloxicam e fenilbutazona, tem sido utilizados para o tratamento de muitas desordens em éguas e podem interferir na atividade reprodutiva pela inibição da COX-2 e, consequentemente, a inibição da formação de PGs. Dessa forma, objetivou-se com este estudo avaliar os efeitos do tratamento com AINEs no desenvolvimento de folículos pré-ovulatórios em éguas. Utilizou-se onze éguas durante três ciclos estrais consecutivos, realizando exames ginecológicos e ulltrassonográficos a cada 12 horas durante o período pré-ovulatório. Quando folículos de 32 mm de diâmetro foram detectados, administrou-se 1 mg de deslorelina para induzir a ovulação. O primeiro ciclo foi usado como controle e as éguas receberam somente a dose de deslorelina, sem a administração de AINEs. Nos ciclos subsequentes as éguas foram tratadas com deslorelina e AINEs, a saber: no segundo ciclo, cada égua recebeu uma dose deslorelina associada a 4,4 mg/kg de fenilbutazona. No terceiro ciclo administrou-se deslorelina associada a 0,6 mg/kg de meloxicam, uma vez por dia, até o momento da ovulação ou início da hemorragia folicular. Observou-se que todas as éguas pertencentes ao grupo controle ovularam entre 36 e 48 horas após a indução. Durante o ciclo de tratamento com meloxicam, observou-se que 92% (n=10) das éguas não ovularam e, durante o ciclo de tratamento com fenilbutazona, 83% (n=9) não ovularam e pontos hiperecóicos intrafoliculares foram observados durante o exame ultrassonográfico, compatíveis com folículos hemorrágicos, evoluindo para folículos anovulatórios luteinizados. Assim, pode-se inferir que o tratamento com meloxicam e fenilbutazona, em doses terapêuticas, induz a formação de hemorragia intrafolicular e luteinização de folículos anovulatóriospor
dcterms.creatorLIMA, A. G.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2013-05-24
dcterms.subjectanti-inflamatórios não esteroidaispor
dcterms.subjectfolículos hemorrágicospor
dcterms.subjectpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Veterináriaspor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Ciências Veterináriaspor
Aparece nas coleções:PPGCV - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_7166_DISSERTAÇÃO ANDRÉ LIMA GOMES.pdf618.3 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.