Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7782
Título: Caraterização Histomorfológica e Histoquímica de Esôfagos de Tartarugas Verdes (Chelonia mydas) Com e Sem Alterações no Litoral do Espírito Santo
Autor(es): CALAIS JUNIOR, A.
Orientador: NUNES, L. C.
Palavras-chave: morfologia
tartaruga marinha
trato gastrintestinal
Data do documento: 27-Fev-2015
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: CALAIS JUNIOR, A., Caraterização Histomorfológica e Histoquímica de Esôfagos de Tartarugas Verdes (Chelonia mydas) Com e Sem Alterações no Litoral do Espírito Santo
Resumo: A tartaruga verde, Chelonia mydas, é amplamente distribuída pela costa brasileira sendo escassos estudos sobre morfologia ou enfermidades do trato gastrintestinal. Objetivou-se caracterizar morfologicamente o esôfago, bem como reconhecer alterações deste órgão, para determinar possíveis agentes e estabelecer a patogênese. Utilizaram-se 45 espécimes, sendo 37 animais com e oito sem lesões macroscópicas no esôfago. O órgão foi retirado inteiro, avaliado macroscopicamente, fixado em formalina a 10% e submetido ao processamento histológico e histoquímico. O esôfago foi caracterizado como órgão tubular muscular composto de papilas cônicas que variam de quantidade e tamanho, revestidas por epitélio estratificado pavimentoso queratinizado e ricas em tecido mixoide. Há variação nas camadas mucosa, submucosa, muscular externa e serosa entre as quatro regiões analisadas e glândulas produtoras de muco na mucosa da junção gastroesofágica. Dos 37 animais com alteração 67,57% (25/37) revelaram lesões multifocais brancacentas contendo material caseoso, enquanto que 32,43% (12/37) revelaram lesões focais, localizadas predominantemente na junção gastroesofágica. Infiltrado inflamatório foi observado em 92% e 62,5% dos animais com e sem lesão, respectivamente. Observaram-se grumos bacterianos em 56,75% das amostras com lesão e fragmentos de parasitos adultos em 75,7% com lesão e 37,5% sem lesão. Em 83,78% e 62,5% dos indivíduos com e sem lesão, respectivamente, foram identificados parasitos à macroscopia. Houve associação significativa do cáseo à inflamação, bactérias ou parasitos, porém o parasitismo não influenciou no grau de obstrução. Conclui-se que as características histomorfológicas do esôfago de C. mydas são importantes para exercer a função mecânica e proteção deste órgão e estes animais são acometidos por lesão esofágica com material caseoso que pode causar obstrução grave.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7782
Aparece nas coleções:PPGCV - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_8703_Resumo Antonio de Calais.pdf74.67 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.