Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7812
Título: Perfil metabólico energético e enzimático hepático e sua influência no retorno à ciclicidade e ocorrência de infecções uterinas pós-parto em vacas leiteiras cruzadas Gir x Holandês.
Autor(es): SANTOS, J. D.
Orientador: MARTINS, C. B.
Palavras-chave: bovinos
cetose
citologia endometrial
Data do documento: 27-Fev-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SANTOS, J. D., Perfil metabólico energético e enzimático hepático e sua influência no retorno à ciclicidade e ocorrência de infecções uterinas pós-parto em vacas leiteiras cruzadas Gir x Holandês.
Resumo: Desordens metabólicas e reprodutivas afetam vacas leiteiras no pós-parto apresentando relevante importância econômica, pois reduzem a produção. Objetivou-se verificar a influência das alterações clínicas e reprodutivas, escore de condição corporal (ECC), perfil metabólico energético e enzimático hepático no retorno à ciclicidade ovariana e ocorrência de infecções uterinas pós-parto em fêmeas leiteiras. Foram utilizadas 53 fêmeas cruzadas Gir x Holandês, provenientes de propriedades do Sul do Espírito Santo, subdivididas em dois grupos: Primíparas, com 19 fêmeas de primeira cria e; Multíparas, com 34 fêmeas com mais de dois partos. Avaliou-se os seguintes momentos: 15 dias pré-parto e, 15, 30, 45 e 60 dias pós-parto. No exame físico avaliou-se as frequências cardíaca (FC) e respiratória (FR), temperatura retal (TºR), peso e ECC. Foram coletadas amostras sanguíneas por meio de venopunção da veia coccígea para avaliação das concentrações séricas de β-hidroxibutirato, colesterol total e lipoproteínas (perfil energético) e alanina aminotransferase (ALT), gama glutamiltransferase (GGT) e fosfatase alcalina (FA) (perfil enzimático hepático). O exame ginecológico foi realizado por meio de palpação e ultrassonografia transretal. O útero foi avaliado quanto ao tamanho, posição, consistência e simetria de cornos uterinos para acompanhamento do processo de involução uterina e os ovários, quanto ao tamanho e presença de estruturas ovarianas para determinação do retorno à atividade ovariana luteal cíclica. Realizou-se o exame de vaginoscopia para avaliação da presença e características das secreções vaginais. As infecções uterinas foram classificadas como metrite clínica e puerperal e endometrite clínica de acordo com a característica e tempo da secreção liberada e; endometrite subclínica quando diagnosticada por citologia endometrial. As variáveis paramétricas foram submetidas ao teste de Tukey e variáveis não paramétricas, ao teste de Kruskall-Wallis. Para correlação, utilizou-se o teste de correlação de Spearman; todos com nível de significância de 5%. Os parâmetros clínicos de FC, FR e TºR encontraram-se dentro dos limites de normalidade estabelecidos para a espécie. O ECC variou de 4 a 2,5 e o peso, de 273 a 315kg; observou-se diminuição nos dois parâmetros do momento D-15 para os demais, indicando a importância da adoção de estratégias que minimizem os efeitos da perda de condição corporal pós-parto.; sendo observadas diferenças entre os grupos em todos os momentos avaliados para o peso. Aos 60 dias pós-parto 33,96%(18/53) dos animais haviam retomado a atividade ovariana. Não observou-se diferença no tamanho dos ovários entre momentos e grupos. Em relação ao tamanho de útero e cérvix notou-se diminuição entre D-15 e os demais, entretanto, não observou-se diferenças entre grupos. A incidência de infecções uterinas foi de 33,96%(18/53), sendo que 27,78%(5/18) dos animais que cursaram a enfermidade eram primíparas. Dos animais que apresentaram infecção uterina, 50%(9/18) apresentaram metrite clínica, dos quais 33,33% eram primíparas e 50%(9/18) apresentaram endometrite clínica, sendo 22,22% primíparas. Nenhum animal apresentou endometrite subclínica. A perda de ECC pós-parto não influenciou na ocorrência de infecções uterinas e no retorno à ciclicidade. Não houve correlação entre a ocorrência de cetose e infecções uterinas nem com o tempo de retorno ao cio pós-parto. Não foram observadas alterações no perfil metabólico enzimático hepático.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7812
Aparece nas coleções:PPGCV - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_9938_JACYMARA DUTRA SANTOS.pdf1.42 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.