Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7839
Título: Efeito do dimorfismo sexual e da fenologia no desempenho ecofisiológico de uma espécie dioica (Myrsine coriacea) na Floresta Atlântica
Autor(es): VALENTE, C. S.
Orientador: CAVATTE, P. C.
Coorientador: CARRIJO, T. T.
Palavras-chave: Ecofisiologia vegetal
altitude
mudanças climáticas
Data do documento: 4-Ago-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: VALENTE, C. S., Efeito do dimorfismo sexual e da fenologia no desempenho ecofisiológico de uma espécie dioica (Myrsine coriacea) na Floresta Atlântica
Resumo: O dimorfismo sexual em características secundárias, evidenciado em algumas espécies dioicas, permite que os indivíduos tenham estratégias de alocação e utilização de recursos de acordo com a demanda específica de cada sexo, aumentando assim a capacidade de explorar ambientes limitantes. Indivíduos femininos geralmente apresentam maior investimento de carbono durante o desenvolvimento reprodutivo, devido à produção de frutos. Indivíduos masculinos possuem maior demanda nutricional, para a produção de polén. O objetivo do trabalho foi avaliar o efeito do dimorfismo sexual e das fases fenológicas sobre o desempenho ecofisiológico de árvores masculinas e femininas de Myrsine coriacea provenientes de nove populações. As características funcionais mensuradas estavam relacionadas com o crescimento, partição de biomassa, composição química do tecido foliar e eficiência fotossintética. De maneira geral, houve dimorfismo sexual no desempenho ecofisiológico. Porém, o efeito do dimorfismo sexual foi dependente da fase fenológica e das condições ambientais de cada população. Somente foi verificado dimorfismo sexual em caracterísiticas funcionais durante as fases de floração e frutificação.O desempenho de indivíduos masculinos esteve associado com a manutenção de maiores taxas de crescimento, enquanto o de femininos se relacionou aos maiores conteúdos de pigmentos cloroplastídicos e maior eficiência fotossintética. Os resultados demonstraram que a espécie apresentou uma combinação de alterações em características funcionais (diversidade funcional), como forma de responder às diferentes demandas de recursos a nível individual. A menor competição por recursos, favorece a coexistência dos sexos e maximiza a exploração dos recursos do ambiente, como forma de potencializar o sucesso reprodutivo da espécie.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7839
Aparece nas coleções:PPGGM - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10054_Dissertação Final Cecília Silva Valente.pdf2.94 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.