Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7891
Título: Correlação entre a redução do peso corporal e o balanço símpato-vagal após a cirurgia bariátrica
Autor(es): Lucas, Cristina Maria de Souza
Orientador: Mill, José Geraldo
Coorientador: Miguel, Gustavo Peixoto Soares
Data do documento: 17-Nov-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: LUCAS, Cristina Maria de Souza. Correlação entre a redução do peso corporal e o balanço símpato-vagal após a cirurgia bariátrica. 2016. 66 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Fisiológicas) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.
Resumo: A obesidade constitui um problema de saúde pública crescente na população e está associada a maior vulnerabilidade cardiovascular. Há muito se sabe que existe uma relação direta entre a quantidade de tecido adiposo e a pressão arterial e frequência cardíaca. Estudos mostraram que obesos apresentam predomínio da atividade simpática, o que é fortemente associada ao aumento da pressão arterial e da frequência cardíaca levando assim ao aumento de risco cardiovascular em relação aos indivíduos de mesma idade e não obesos. O objetivo neste estudo foi correlacionar a redução de gordura corporal em pacientes obesos mórbidos 3 e 6 meses após cirurgia bariátrica com as mudanças do balanço autonômico dirigido para o coração através da análise da Variabilidade da Frequência Cardíaca (VFC). Métodos: Quarenta e um pacientes (39 do sexo feminino) programados para a cirurgia bariátrica no Hospital Universitário foram estudados antes e 3 e 6 meses após a cirurgia. A gordura corporal foi medida por bioimpedância. A pressão arterial foi aferida com aparelho oscilométrico e a pressão arterial central por tonometria de aplanação radial. Foi feito registro contínuo (10 min) do eletrocardiograma de repouso para determinar os índices temporais e espectrais da VFC. Dados expressos em média e ± desvio padrão. A significância estatística foi fixada para P<0.05. Resultados: O índice de massa corporal inicial (IMC) foi de 43,9±5,9 kg/m2. Ocorreu maior perda de peso nos 3 primeiros meses e continuou com ritmo mais lento até o 6° mês após a cirurgia, com o IMC final de 33,3±5,9 kg/m2. A massa de gordura no início do estudo predominava no tronco (47,0%), seguido de membros inferiores (28,5%) e em menor proporção em membros superiores (24,5%). A perda relativa de massa gorda foi maior nos membros superiores, com menos 34,5% até o 3º mês pós-cirúrgico e perda adicional de 29,2% até o 6º. mês. Antes da cirurgia 31 dos 41 pacientes estavam em uso de drogas antihipertensivas e aos 3 meses do seguimento, apenas 2 voluntários ainda usavam antihipertensivo. Assim, a queda pressórica foi pequena, porém significativa apenas para a pressão diastólica (de 78 ± 10,3 para 72 ± 8,5 mmHg). Os dois índices da VFC que se correlacionam diretamente com a modulação vagal da frequência cardíaca sofreram aumentos significativos entre o pré-operatório (RMSSD = 29,2 ± 20,2 ms e pNN50 = 9,7± 14,3%) e o exame de 3 meses, estabilizando-se aos 6 meses (RMSSD = 48,4 ± 31,2 ms e pNN50 = 23,3 ± 22,8%). Um padrão similar observa-se para o componente 8 HF 32,3 ± 19,4 n.u. no pré-operatório para 49,5 ± 17,2 n.u. aos 6 meses. O componente LF (em unidades arbitrárias) da VFC diminuiu (P<0.05) de 56,9 ± 20,9 préoperatório para 41,7± 18,4 aos 6 meses. Conclusão: Os dados mostram redução do componente simpático e aumento do componente vagal de modulação da VFC após a cirurgia bariátrica. Essa alteração no balanço símpato-vagal para o sistema cardiovascular deve contribuir para a redução da pressão arterial concomitante com a perda de massa de gordura após a cirurgia bariátrica.
Introduction: Obesity is a growing public health problem in the population and is associated with increased cardiovascular vulnerability. It has long been known that there is a direct relationship between the amount of fat and blood pressure and heart rate. Studies have shown that obese individuals have a predominance of sympathetic activity, which is strongly associated with increased blood pressure and heart rate thus leading to increased cardiovascular risk compared to individuals of the same age and not obese. The aim in this study was to correlate the reduction of the body fat in morbid obese patients 3 and 6 months after bariatric surgery and correlate these changes with hemodynamic changes (heart rate and central and peripheral blood pressure) as well as with changes of the autonomic balance directed to heart by investigating the rate variability (HRV). Methods: Forty one patients (39 female) scheduled to be submitted to the bariatric surgery in the University Hospital were studied before and 3 and 6 months after surgery. Body fat was measured by bioimpedance. Peripheral and central blood pressure was measured with an oscillometric device or by radial applanation tonometry. A continuous digital eletrocardiographic recording (10 min) was used to determine the temporal and spectral indexes of HVR. Data expressed as mean and ± standard deviation. Statistical significance was set at P <0.05. Results: Baseline body mass index (BMI) of 43.9 ± 5.9 kg / m2. Body weight loss faster in the first 3 months and it continued with slower rate until the 6 th month after surgery with a final BMI of 33.3 ± 5.9 kg / m2. Fat mass segment at baseline was predominant in the trunk (47.0%), followed by the lower limbs (28.5%) and to a lesser extent in the upper limbs (24.5%). The fat mass relative loss was higher in the upper limbs, with less 34.5% to the 3rd postoperative month and additional loss of 29.2% to the 6 th month. Before surgery 31 of 41 patients were using antihypertensive drugs and at 3 months of the follow up only 2 volunteers were still using antihypertensive. Thus, the pressure drop was small but significant only for diastolic blood pressure (78 ± 10.3 to 72 ± 8.5 mmHg). The two HRV indexes that correlate directly with the vagal modulation of heart rate were significantly increased between the preoperative (RMSSD = 29.2 ± 20.2 ms and pNN50 = 9.7 ± 14.3 %) and 3 months, stabilizing at 6 months (RMSSD = 48.4 ± 31.2 ms and pNN50 = 23.3 ± 22.8%). A similar pattern is observed for the HF component, which increased from 32.3 ± 19.4 n.u. preoperatively to 49.5 ± 17.2 n.u. at 6 months. The LF component (in 10 arbitrary units) of HRV decreased (P <0.05) of 56.9 ± 20.9 preoperatively to 41.7 ± 18.4 at 6 months. Conclusion: The data show a reduction of the sympathetic component and increased vagal modulation component of HRV after bariatric surgery. This change of the autonomic balance to the cardiovascular system should contribute to the reduction of the heart rate and blood pressure after bariatric surgery
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7891
Aparece nas coleções:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_10418_Dissertação Cristina Maria de Souza Lucas20170123-163741.pdf1.51 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.