Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7921
Título: Efeitos dos glicocorticóides sobre os limiares da reação de defesa induzida pela estimulação elétrica da matéria cinzenta periaquedutal dorsal de ratos
Autor(es): RANGEL, T. C.
Orientador: SCHENBERG, L. C.
Data do documento: 27-Nov-2007
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: RANGEL, T. C., Efeitos dos glicocorticóides sobre os limiares da reação de defesa induzida pela estimulação elétrica da matéria cinzenta periaquedutal dorsal de ratos
Resumo: Efeitos dos glicocorticóides sobre os limiares da reação de defesa induzida pela estimulação elétrica da matéria cinzenta periaquedutal dorsal de ratos. Rangel, T.C., Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Brasil, 2007. Em estudo anterior de nosso laboratório (Vargas, 2002) verificamos que enquanto a imobilidade induzida por estimulação da matéria cinzenta periaquedutal dorsal (MCPAd) foi facilitada 3 h após a injeção intraperitoneal (IP) de dexametasona (DEXA), a micção foi inibida. Como a DEXA não atravessa a barreira hematoencefálica em condições normais, estes efeitos foram, mais provavelmente, causados pela supressão periférica do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HHA). Contudo, eles também poderiam ter sido causados por uma ação central da DEXA favorecida pelo aumento da permeabilidade da barreira na região do eletrodo. O presente estudo avaliou os efeitos da administração intracerebroventricular (i.c.v.) de DEXA (0,8 µg /15 µL, n=20), corticosterona (CORT, 40 µg /15 µL, n=20) ou salina (NaCl 0,9%, 15 µL, n=20) sobre os limiares da reação de defesa induzida pela estimulação elétrica da MCPAd, assim como sobre o comportamento exploratório no labirinto-em-cruz elevado (LCE), um equipamento sensível a alterações da ansiedade. Ratos com eletrodos implantados na MCPAd cuja estimulação eliciou as respostas de galopes ou saltos com intensidades a 85 &#956;A foram submetidos a 4 sessões de estimulação senoidal (0-90 &#956;A, 60 Hz, c.a.) em 3 dias consecutivos: Dia 1 controle, Dia 2 15 minutos e 3 horas após a injeção das drogas, Dia 3 washout. O teste do LCE foi realizado no Dia 2, 1 hora e 30 minutos após a administração da DEXA, CORT ou salina. Os limiares medianos (I50&#61617;EPM) das respostas de imobilidade (IMO), exoftalmia (EXO), trote (TRT), galope (GLP), salto (SLT), micção (MIC) e defecação (DEF) foram estimados por regressão logística das freqüências acumuladas e comparados por razão de verossimilhanças (P<0,05, Bonferroni). A DEXA facilitou o SLT, reduzindo o limiar desta resposta de forma significativa (&#61508;I50= -16,8 %). Ao contrário, a DEXA atenuou o GLP (&#61508;I50=17,1% aos 15 minutos e 31,2% após 24 horas) e a DEF (&#61508;I50=22,3%). A CORT teve efeitos similares sobre o SLT (&#61508;I50= -14,3% após 3 horas) e GLP (&#61508;I50=17,8% aos 15 minutos e 13,8% após 3 horas), porém, facilitou a MIC (&#61508;I50= -29,3% aos 15 minutos) e a DEF (&#61508;I50= -31,4% após 3 horas). A salina atenuou a MIC (&#61508;I50=12,3% aos 15 minutos e 42,2% após 24 horas) e a IMO (&#61508;I50=13,5% após 24 horas), contudo, as respostas de defecação e micção foram virtualmente abolidas 3 h após. As outras respostas não foram alteradas significativamente. Nenhum dos tratamentos realizados teve efeitos significantes sobre os valores percentuais de exploração dos braços aberto e fechado do LCE, sugerindo a ausência de efeitos ansiolíticos ou ansiogênicos. Contudo, os tratamentos tiveram um efeito significante sobre a exploração da plataforma central. Comparado ao grupo salina, estes efeitos foram devidos, principalmente, à redução acentuada da exploração da plataforma central pela CORT. Uma redução menor, porém, marginalmente significante também foi observada após a administração de DEXA. Os efeitos distintos sobre as respostas de MIC e DEF podem ter sido devidos à afinidade distinta das drogas pelos receptores I e II. Portanto, os efeitos anteriores de facilitação da IMO e atenuação da MIC foram, muito provavelmente, devidos à supressão periférica do eixo e redução dos níveis circulantes de CORT. Embora a atenuação do GLP possa ter sido devida à sua substituição pelo SLT, a redução dos limiares de SLT é compatível com a facilitação dos ataques de pânico pelo estresse. Assim, embora o eixo HHA não seja ativado nem nos ataques de pânico, nem na estimulação da MCPAd, situações estressantes poderiam predispor o indivíduo a estes ataques. Palavras-Chave: Corticosterona, Dexametasona, Eixo Hipotálamo-Hipófise-Adrenal, Matéria Cinzenta Periaquedutal Dorsal, Reação de Defesa, Pânico, Estresse.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7921
Aparece nas coleções:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_3144_Dissertação Tathiana Corrêa Rangel.pdf774.52 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.