Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7948
Título: Efeitos do hipertireoidismo em modelos experimentais de ansiedade, pânico e depressão em ratos.
Autor(es): Nascimento, Monique Pereira do
Orientador: Schenberg, Luiz Carlos
Data do documento: 30-Ago-2010
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Observações clínicas e experimentais sugerem que 2/3 dos pacientes com doença tireoidiana apresentem distúrbios psiquiátricos. Contudo, os dados clínicos são bastante contraditórios. Assim, avaliamos os efeitos do hipertireoidismo experimental produzido pela administração de L-tiroxina (T4) sobre índices de atividade exploratória, ansiedade, pânico e depressão dos testes da arena (AR, open field), interação social (IS), natação forçada (NF), labirinto-em-cruz elevado (LCE) e labirinto-em-T elevado (LTE). Adicionalmente, avaliamos os efeitos destes tratamentos sobre os comportamentos de defesa induzidos pela estimulação elétrica da matéria cinzenta periaquedutal dorsal (MCPD), um modelo de ataque de pânico. Ratos Wistar machos (n=58) foram implantados com eletrodos na MCPD e, 5 dias após, estimulados com pulsos de intensidades crescentes (sessão-triagem). Os ratos que apresentaram galopes com intensidades inferiores a 70 µA foram tratados por 10 dias (i.p.) com salina (controles), ou com 30 µg/dia e 60 µg/dia de T4 (grupos T30 e T60, respectivamente). Os efeitos agudos sobre as respostas de defesa da MCPD foram avaliados no dia seguinte à sessão-triagem, e os efeitos crônicos neste e nos outros testes, 10 dias após. Os níveis plasmáticos de T3 e T4 e os efeitos comportamentais de T4 foram avaliados por ANOVA seguida de testes-t para amostras independentes. Os efeitos sobre os comportamentos de defesa da MCPD foram avaliados por análise logística de limiares. As diferenças foram consideradas significantes para P<0,05. Embora os grupos não tenham diferido quanto ao peso final, eles apresentaram aumentos similares, porém, significantes, dos níveis plasmáticos de T3 e T4, em cerca de 60% e 50%, respectivamente. No LCE, houve um aumento significante da porcentagem de entrada no braço aberto, sugerindo um efeito ansiolítico. Contudo, os índices de ansiedade não foram reduzidos nos testes de IS, AR e LTE. No conjunto, estes resultados sugerem que o sintoma de nervosismo relatado por 99% dos pacientes com hipertireoidismo, sejam distintos da ansiedade dos modelos experimentais empregados neste estudo. Por outro lado, no teste da AR, a T4 aumentou as respostas de levantar, explorar, olfação e locomoção periférica, confirmando os dados clínicos de hiperatividade. Contrariamente, a T4 aumentou o tempo de imobilidade na NF, sugerindo um efeito pró-depressivo específico. Adicionalmente, embora a menor dose de T4 tenha reduzido a latência de fuga no LTE, sugerindo um efeito panicogênico, a administração aguda ou crônica da mesma dose causou aumentos significantes dos limiares de imobilidade, exoftalmia, trote, galope e salto no modelo de pânico por estimulação da MCPD, sugerindo um efeito panicolítico. O grupo T60 também apresentou aumentos significantes dos limiares de galope, tanto no tratamento agudo quanto no tratamento crônico. Embora os efeitos do hipertiroidismo sugiram que os modelos de pânico do LTE e da MCPD mobilizem mecanismos diferentes, os resultados não foram conclusivos, tal como ocorre na literatura clínica sobre a comorbidade destes transtornos. Por fim, como não houve perda de peso dos animais, nossos resultados sugerem que o hipertireoidismo leve cause hiperatividade e predisponha o indivíduo à depressão.
Clinical and experimental observations suggest that 2/3 of patients with thyroid disease have psychiatric disorders. However, clinical data are very contradictory. We evaluated the effects of experimental hyperthyroidism produced by administration of L-thyroxine (T4) on indexes of exploratory activity, anxiety, panic and depression of the open field (OF), social interaction (SI), forced swimming (FS), elevated plus-maze (EPM) and elevated T-maze (ETM). Additionally, we evaluated the effects of these treatments on the defensive behaviors induced by electrical stimulation of the dorsal periaqueductal gray (DPAG), a model of panic attack. Male Wistar rats (n = 58) were implanted with electrodes in the DPAG, and five days later, stimulated with pulses of increasing intensities (screening session). Rat that had galloping with intensities below 70 μA were treated for 10 days (i.p.) with saline (controls) or with 30 g/day and 60 g/day of T4 (T30 and T60 groups, respectively). The acute effects on the defense responses of the DPAG were assessed on the the same day of the screening session, and the chronic effects and other tests, after 10 days. Plasma levels of T3 and T4 and the behavioral effects of T4 were evaluated by ANOVA followed by t-tests for independent samples. Response accumulated frequencies of DPAG-evoked behaviors were subjected to the threshold logistic analysis. Differences were considered significant for P <0.05. Although the groups did not differ as to the final weight, they showed similar but significant increases in plasma levels of T3 and T4 in 60% and 50% respectively. In the EPM, there was a significant 12 increase in the percentage of open-arm entry, suggesting an anxiolytic effect. However, indexes of anxiety were not reduced in SI, OF and ETM. These results suggest that the symptom of 'nervousness' reported by 99% of patients with hyperthyroidism is distinct from the anxiety of animal models of this study. However, in the OF test, the T4 increased the rearing, exploration, olfaction and peripheral locomotion, confirming the clinical data of hyperactivity. In contrast, T4 increased the immobility time in FS suggesting a depression-like effect. On the other hand, although the lower dose of T4 reduced the escape latency in the ETM, suggesting a panic-like effect, either the acute or chronic administration of the same dose caused significant increases in the thresholds of immobility, exophthalmus, trotting, galloping and jumping in the model of panic by electrical stimulation of the DPAG, suggesting rather a panicolytic effect. The T60 group also showed significant increases in the thresholds of galloping in both the acute and chronic treatments. Although these data suggest that ETM and DPAG models of panic mobilize different mechanisms, the results were not conclusive regarding the effects of hyperthyroidism in panic attacks, as is often the case in clinical literature. Finally, because animals presented no weight loss, our results suggest that mild hyperthyroidism causes hyperactivity and predisposes individuals to depression
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7948
Aparece nas coleções:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_4143_Dissertação Monique Pereira do Nascimento.pdf792.01 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.