Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7989
Título: EFEITOS DO TRATAMENTO COM SILDENAFIL NA HIPERTENSÃO EXPERIMENTAL RENOVASCULAR
Autor(es): MOREIRA, A. T. D.
Orientador: VASQUEZ, E. C.
Data do documento: 4-Abr-2014
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MOREIRA, A. T. D., EFEITOS DO TRATAMENTO COM SILDENAFIL NA HIPERTENSÃO EXPERIMENTAL RENOVASCULAR
Resumo: A hipertensão arterial (HA) é uma das principais causas de morbidade e mortalidade mundial. A disfunção endotelial, o estresse oxidativo e o dano ao DNA é uma condição presente durante o desenvolvimento e manutenção da hipertensão renovascular induzida pela estenose da arterial renal no modelo 2R1C de Goldblatt. Estudos tem demonstrado que o sildenafil, inibidor da fosfodiesterase-5, aumenta a oferta do monofosfato cíclico de guanosina (GMPc) principal segundo mensageiro do óxido nítrico (NO), sendo capaz de melhorar a função endotelial, diminuir o estresse oxidativo e o dano ao DNA. O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos do tratamento com sildenafil sobre a função vascular, o estresse oxidativo e a genotoxicidade em células de rim estenótico de camundongos hipertensos. Foram utilizados camundongos machos C57BL/6, com aproximadamente 23 gramas, os animais foram separados em 3 grupos: Sham, 2R1C e 2R1C tratados com sildenafil (40mg/kg/dia). Os tratamentos foram iniciados 14 dias após a indução da hipertensão. Após 28 dias foram realizadas as medidas hemodinâmicas e em seguida os animais foram anestesiados. O leito vascular mesentérico (LMV) foi canulado e isolado para avalição da função vascular por meio da construção de curvas dose-resposta à Acetilcolina (ACh) ou Nitroprussiato de sódio (NPS), após pré contração com norepinefrina. Os rins foram retirados e alguns foram armazenados em nitrogênio líquido para dosagem de angiotensina II (Ang II). Outros tiveram as células isoladas através de ação enzimática para a realização do ensaio do cometa para analisar a genotoxicidade, e análise do estresse oxidativo e produção de NO pela citometria de fluxo. As respostas vasodilatadoras estão expressas como percentual de relaxamento em relação à pré-contração. A resposta máxima (Rmáx) e o logaritmo negativo da concentração de droga que provocou metade da resposta máxima (pEC50) foram calculados. Resultados de bloqueio farmacológicos foram expressos como a diferença na área abaixo da curva (dAUC). Os resultados estão expressos como média ± EPM. As comparações estatísticas foram feitas por ANOVA, seguida do post hoc de Bonferroni. *p<0,05 e **p<0,01 quando comparado ao grupo sham; #p<0,05 e ##p<0,01 quando comparado ao 2R1C e &p<0,05 e &&p<0,01 quando comparado ao mesmo grupo sem bloqueio. O animais 2R1C apresentaram aumento da pressão arterial média (PAM) e da frequência cardíaca (FC) (125 ± 2 mmHg e 516±2 bpm, respectivamente) quando comparado ao grupo sham (PAM:107 ± 2 mmHg e 451± 18 bpm) e o tratamento foi capaz de reduzir em 15% a PAM (112 ± 2 mmHg ) nos animais 2R1C sildenafil assim como, reduzir a FC (471 ± 12 bpm). Os níveis teciduais de Angiotensina II nos animais 2R1C estavam aumentados (179 ± 32*pmol/g tecido) quando comparados ao grupo sham (70 ± 7 pmol/g tecido) e o tratamento com sildenafil (94±6 pmol/g tecido) foi capaz de reduzir em 50 % o níveis de Ang II. Os animais do grupo 2R1C demonstraram marcante disfunção endotelial (Rmáx: 48,7 ± 1,8**) quando comparados aos controles (Rmáx: 76,13 ± 2), e o tratamento com sildenafil foi capaz de reverter essa disfunção (Rmáx: 67,48 ± 4##). Tal disfunção não se deve à diminuição da sensibilidade do músculo liso vascular ao NO, uma vez que não foram observadas diferenças nas respostas ao NPS. O papel do NO e das prostaciclinas (PGI2) foi verificado realizando o bloqueio com L-NAME e Indometacina e observamos que o relaxamento à ACh nos animais 2R1C estavam diminuídos (dAUC: NO: 51 ± 5*; PGI2: 9,0 ± 3,8# a.u, ) quando comparados aos controles (dAUC: NO: 77 ± 5; PGI2: 32,7 ± 4,7 a.u) e foi restabelecido nos animais tratados (NO:74 ± 6#; PGI2: 29,6 ± 6,5# a.u). Calculando a estimativa da participação do fator hiperpolarizante derivado do endotélio (EDHF) observamos que no grupo 2R1C havia menor participação deste fator no relaxamento quando comparado ao grupo sham e o grupo tratado com sildenafil. A inibição das espécies reativas de oxigênio (EROs), avaliada por meio do bloqueio da NADP(H) oxidase com apocinina possibilitou a observação de que as EROs apresentava maior influência no relaxamento dos animais 2R1C (dAUC: 76,0 ± 4* a.u) quando comparada com o grupo sham (48,7 ± 5,9 a.u.) e o grupo 2R1C sildenafil (dAUC: 56,8 ± 5# a.u). Na análise do estresse oxidativo do rim clipado realizado pela citometria de fluxo observamos que os animais 2R1C apresentaram aumento na produção de EROs (O- 2: 887 ± 41, H2O2: 308 ± 22 a.u.) quando comparamos ao grupo sham (O- 2:700 ± 21, H2O2: 214 ± 7,7 a.u.) e o tratamento com sildenafil foi capaz de promover diminuição da produção de O- 2 (765 ± 32 a.u.) e de H2O2 (235 ± 20 a.u.). Observamos que o tratamento com sildenafil aumentou em 1,7 vezes a produção de NO (350 ± 33 a.u.) no rim clipado quando comparado com o grupo sham e 2R1C (217 ± 10, 260 ± 21 a.u., respectivamente). Na análise da genotoxicidade do rim clipado observamos que os animais 2R1C apresentaram um aumento nos parâmetros utilizados, como na porcentagem de DNA na cauda e no momento da cauda (38 ± 5,7%, 52,2 ± 10 a.u.) quando comparados ao grupo sham (21 ± 2,1%, 21,5 ± 3,2 a.u.) e o sildenafil foi capaz de promover uma diminuição destes parâmetros (17 ± 3,4%, 17,3 ± 3,5 a.u.) diminuindo o dano ao DNA. Assim, estes dados evidenciam que o sildenafil promove uma melhora da disfunção endotelial que se observa na hipertensão renovascular por mecanismos que envolvem o aumento da biodisponibilidade de NO, aumento de PGI2 e de EDHF e diminuição da produção de EROs. No rim, o qual tem participação na instalação da hipertensão e também, posteriormente, se torna alvo, os efeitos do sildenafil foram de redução do estresse oxidativo e o dano ao DNA das células do rim clipado, além de uma marcante redução dos níveis teciduais de angiotensina II, o que talvez explique o aumento na produção de NO.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7989
Aparece nas coleções:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_7787_Dissertação Ananda Tissianel Dias.pdf2.92 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.