Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8016
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorMEYRELLES, S. S.
dc.date.accessioned2018-08-01T22:58:50Z-
dc.date.available2018-08-01
dc.date.available2018-08-01T22:58:50Z-
dc.identifier.citationBERNARDES, F. P., AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO TRATAMENTO COM SILDENAFIL SOBRE CÉLULAS DE MEDULA ÓSSEA DE CAMUNDONGOS HIPERCOLESTEROLÊMICOSpor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/8016-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleAVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO TRATAMENTO COM SILDENAFIL SOBRE CÉLULAS DE MEDULA ÓSSEA DE CAMUNDONGOS HIPERCOLESTEROLÊMICOSpor
dc.typemasterThesisen
dc.contributor.memberPEREIRA, T. M. C.
dc.contributor.memberBALDO, M. P.
dcterms.abstractA hipercolesterolemia, além de ser um dos principais fatores que levam ao desenvolvimento da aterosclerose, provoca danos oxidativos e genotóxicos em células de medula óssea. O Sildenafil tem sido utilizado com sucesso em pesquisas cardiovasculares e, no caso da aterosclerose, demonstra efeitos positivos na diminuição do estresse oxidativo e de marcadores de danos genotóxicos em modelos experimentais de aterosclerose (camundongo knockout para a apolipoproteina E - apoE-/-). Neste trabalho foi testada a hipótese de que o tratamento com Sildenafil seria capaz de melhorar possíveis danos que a hipercolesterolemia comprovadamente causa nas células de medula óssea de camundongos apoE-/-. Foram utilizados camundongos machos com 03 meses de idade divididos em três grupos: controle C57BL/6 (C57), veículo (apoE-/- V) e tratado (apoE-/- S) os quais foram submetidos ao tratamento com Sildenafil 40mg/Kg/Dia ou Veículo por três semanas. Durante o período de tratamento foram feitas coletas de sangue periférico e no último dia de tratamento as células de medula óssea dos fêmures e tíbias foram isoladas e submetidas a protocolos de citometria de fluxo, dosagem de colesterol plasmático e teste do micronúcleo. O estresse oxidativo foi avaliado por meio da determinação dos níveis das Espécies Reativas de Oxigênio (EROs) ânion superóxido (&#61589;O2-) e peróxido de hidrogênio (H2O2) nos ensaios de citometria de fluxo DHE e DCF, respectivamente. Foram adquiridas informações acerca das fases do ciclo celular das células de medula óssea por meio de marcação com Iodeto de Propídeo (PI) e a estimativa de danos genotóxicos e citotóxicos foi feita por meio do teste do micronúcleo de medula óssea e de sangue. Os dados obtidos foram submetidos à Análise de Variância (ANOVA) de uma via seguida do post hoc de Fisher ou, quando cabível, ao teste t de student para amostras independentes e os resultados estão expressos como média ± EPM e considerados estatisticamente significativos quando *p < 0,05. Os dados relativos às EROs indicam que animais apoE-/- V apresentam maiores níveis de ânion superóxido quando comparados ao grupo controle (C57) e ao grupo que recebeu Sildenafil (apoE-/- V: 2217,6±361,0* versus C57: 1128,2±28,0 versus apoE-/- S: 1125,7±190,8#). Os níveis de H2O2 também se apresentaram aumentados no grupo apoE-/- V, com valores de 2847,0±191,0* versus C57: 2181,0±107,7 versus apoE-/- S: 2107,0±80,60#. Quanto às características do ciclo celular, os valores obtidos apontaram para uma maior fragmentação de DNA nos animais do grupo veículo com relação ao controle e ao tratado (apoE-/- V: 2,14±0,12* versus C57: 1,59±0,10 versus apoE-/- S 1,31±0,11#). Também constatou-se no grupo veículo uma maior proporção de células de medula óssea no momento G0/G1 (apoE-/- V: 75,45±0,70* versus C57: 68,60±0,53 versus apoE-/- S: 67,75±1,60#). Além disso, os dados de micronúcleo sugerem que os animais hipercolesterolêmicos que não receberam tratamento com Sildenafil apresentam danos genotóxicos expressivos na medula (apoE-/- V: 6,4±0,35* versus C57: 3,5±0,27 versus apoE-/- S: 5,0±0,41#) e no sangue (apoE-/- V: 7,6±0,80* versus C57: 4,0±0,37 versus apoE-/- S: 3,95±0,40#) em comparação ao grupo tratado com Sildenafil. Em conjunto, os resultados indicam que o tratamento com Sildenafil em camundongos hipercolesterolêmicos foi capaz de produzir efeitos benéficos no ambiente medular demonstrados pela menor produção de EROs, menor quantidade de DNA fragmentado e menor quantidade de células micronucleadas na medula óssea e no sangue periférico. Palavras-chave: hipercolesterolemia, EROS, dano genotóxico, Sildenafil.por
dcterms.creatorBERNARDES, F. P.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2015-12-30
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicaspor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Ciências Fisiológicaspor
Aparece nas coleções:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_9528_DISSERTAÇÃO FRANCIANE BERNARDES20151230-94139.pdf1.16 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.