Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8044
Título: Síndrome metabólica, resistência à insulina e fatores associados: um estudo em funcionários de uma rede bancária da grande Vitória/ES, Brasil
Autor(es): SALAROLI, L. B.
Orientador: BISSOLI, N. S.
Data do documento: 12-Ago-2011
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SALAROLI, L. B., Síndrome metabólica, resistência à insulina e fatores associados: um estudo em funcionários de uma rede bancária da grande Vitória/ES, Brasil
Resumo: A Síndrome Metabólica (SM) e Resistência à Insulina (RI) são transtornos complexos, representados pela agregação de fatores de risco cardiovascular. Com o objetivo de determinar a prevalência de SM e RI e identificar fatores associados ao risco de desenvolvimento dessas alterações metabólicas em trabalhadores de uma rede bancária da grande Vitória/ES, Brasil, foi realizado estudo de coorte transversal que analisou dados sociodemográficos, bioquímicos, antropométricos e hemodinâmicos de 501 trabalhadores bancários com idade &#8805; 20 anos de ambos os sexos. Para determinação da SM foram utilizados critérios do NCEP e do IDF e a RI foi determinada pelo índice HOMA-RI, sendo considerados resistentes à insulina indivíduos com valores superiores a > 2,71. Para análise das diferenças das médias foi utilizado o teste t de Student, e das proporções o teste quiquadrado (X²). Para variáveis que não apresentaram distribuição normal foi utilizado o teste não paramétrico de Mann-Whitney. Para quantificação da participação dos critérios no desfecho de interesse foi feita análise multivariada. O nível de significância para todos os testes foi estabelecido em p < 0,05. Foi evidenciado 86 (17,2% IC95% 13,8-20,6) e 113 (22,6% IC95%18,8-26,3) indivíduos com SM segundo NCEP e IDF, respectivamente, sendo observada diferença entre os sexos pelo critério IDF (p=0,003). Nota-se incremento da SM com a idade em ambos os critérios analisados (p&#8804;0,05). Indivíduos que trabalham nas agências bancárias apresentaram prevalência maior de SM, quando comparados aos da direção geral (P=0,003), utilizando o critério NCEP. Em relação a RI, 52 (10,4%) indivíduos apresentaram esta alteração metabólica, sendo que grande parte dos trabalhadores resistentes à insulina auto-referiram como positivo o estado de saúde. A chance de desenvolvimento da síndrome é maior nos indivíduos com segundo grau completo (OR 2,16 (IC95% IC 1,11-6-13) e, entre os com sobrepeso e obesidade, a chance de apresentar SM é de 12,6 (IC95% IC 4,80-33,26, P=0,000) e 43,6 (IC95% IC 16,05-118,88, P=0,000) vezes maior, respectivamente, quando comparados aos indivíduos eutróficos. Indivíduos com sobrepeso possuem risco 4,97 (IC95% IC 1,31-18,83) vezes de ter o HOMA mais elevado do que os eutróficos e entre os que apresentam obesidade este risco sobe para 17,87 (IC95% IC 4,36-73,21). Conclusão: Foi evidenciado elevado número de bancários com síndrome metabólica e com Resistência à insulina, com conseqüente risco de desenvolver doença cardiovascular. Alem disso, houve associação da SM com o IMC e escolaridade, e da RI com IMC e Obesidade Abdominal. Esses resultados devem subsidiar ações de prevenção à saúde do trabalhador. Palavras-chave: Síndrome Metabólica; Resistência à Insulina; Bancários; Obesidade; Hipertensão.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8044
Aparece nas coleções:PPGCF - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5048_Tese Luciane Bresciani Salaroli.pdf762.73 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.