Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8047
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorMILL, J. G.
dc.date.accessioned2018-08-01T22:59:17Z-
dc.date.available2018-08-01
dc.date.available2018-08-01T22:59:17Z-
dc.identifier.citationDANTAS, E. M., Efeitos do tratamento crônico com diferentes doses de Carvedilol sobre a variabilidade de freqüência cardíaca e de pressão arterial de ratos infartadospor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/8047-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleEfeitos do tratamento crônico com diferentes doses de Carvedilol sobre a variabilidade de freqüência cardíaca e de pressão arterial de ratos infartadospor
dc.typedoctoralThesisen
dc.contributor.memberVASQUEZ, E. C.
dc.contributor.memberVASSALLO, D. V.
dc.contributor.memberSILVA, V. J. D.
dc.contributor.memberANDREAO, R. V.
dcterms.abstractO objetivo foi avaliar os efeitos do tratamento crônico com diferentes doses de carvedilol sobre a variabilidade da frequência cardíaca (VFC) e da pressão arterial (VPA) de ratos com infarto do miocárdio (IM). Metodologia: Ratos Wistar machos (N=69; peso 180- 250g) foram incluídos no estudo. Os animais foram submetidos à IM por ligadura do ramo descendente anterior da coronária esquerda (N=40) ou a uma cirurgia fictícia (N=29, sham) e randomizados para receberem tratamento (na água de beber) com placebo (metilcelulose 0,5%) ou carvedilol em dose baixa (2 mg/kg/dia) ou alta (20 mg/kg/dia): sham placebo (SP, N=12), sham dose baixa (SDB, N=8), sham dose alta (SDA, N=9), infarto placebo (IP, N=13), infarto dose baixa (IDB, N=12) e infarto dose alta (IDA, N=15). Trinta dias após, os animais acordados foram submetidos à avaliação hemodinâmica (registro invasivo da pressão arterial e eletrocardiograma) para análise da VPA e VFC feitas no domínio do tempo (variância da pressão sistólica e dos intervalos RR) e da frequência (VLF, LF, HF) usando o método autorregressivo com ordem do modelo fixa em 16. Registros pressóricos de ventrículo esquerdo foram obtidos por cateterismo ventricular nos animais anestesiados. Os dados são apresentados como mediana e intervalo interquartil (75-25). Resultados: O IM determinou aumento no peso cardíaco (0,31 (0,03) mg/g SP vs. 0,43 (0,17) mg/g IP, P<0,05), prejuízo da função ventricular esquerda com redução da pressão ventricular sistólica (PVS: 136 (23) mmHg SP vs.110 (23) mmHg IP, P<0,05), aumento da pressão ventricular diastólica inicial (PVDI: -3 (5) mmHg SP vs. 9 (10) mmHg IP, P<0.05) e final (PVDF: 5 (10) mmHg SP vs. 16 (11) mmHg IP, P<0.05). Observou-se ainda uma redução do LF de VPA (69 (37) n.u. SP vs. 18 (48) n.u. IP, P<0.05), sem alteração dos parâmetros de VFC (variância de R-R: 17.37 (20.34) ms2 SP vs. 19.64 (28.56) ms2 IP, P>0.05). A dose baixa de carvedilol preveniu o aumento do peso cardíaco (0,43 (0,17) mg/g IP vs. 0,35 (0,06) mg/g IDB, P<0,05), da PVDI (9 (10) mmHg IP vs. 0 (5) mmHg IDB, P<0,05) e da PVDF (16 (11) mmHg IP vs. 8 (9) mmHg IDB, P<0,05), mas não modificou a PVS (110 (23) mmHg IP vs. 111 (25) mmHg IDB, P>0,05). A dose alta de carvedilol preveniu o aumento da PVDI (9 (10) mmHg IP vs. -1(14) mmHg IDA, P<0.05) mas não o aumento do peso cardíaco (0,43 (0,17) mg/g IP vs. 0,42 (0,08) mg/g IDA, P>0,05) e da PVDF (16 (11) mmHg IP vs. 8 (19) mmHg IDA, P>0,05) e exacerbou a queda na PVS (110 (23) mmHg IP vs. 105 (10) IDA, P<0,05). Nenhum dos tratamentos afetou nem a VPA (variância da pressão: 10,60 (6,77) mmHg2 IP, 13,85 (9,66) mmHg2 IDB, 8,87 (7,99) mmHg2 IDA, P>0.05) nem a VFC (variância de R-R: 19,64 (28,56) ms2 IP, 38,41 (38,20) ms2 IDB, 28,15 (22.70) ms2 IDA, P>0,05). Conclusão: A dose baixa de carvedilol produziu melhora hemodinâmica e impediu o desenvolvimento de hipertrofia cardíaca após IM. Esses efeitos parecem ser independentes de ajustes no balanceamento autonômico para o coração e vasos, uma vez que não tiverem repercussões importantes sobre os componentes espectrais da VPA e da VFC.por
dcterms.creatorDANTAS, E. M.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2012-03-09
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicaspor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseDoutorado em Ciências Fisiológicaspor
Aparece nas coleções:PPGCF - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5553_Tese Eduardo Miranda Dantas.pdf3.36 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.