Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8048
Título: Efeitos do tratamento crônico com tamoxifeno e quimioterapia sobre marcadores de risco cardiovascular em mulheres com câncer de mama
Autor(es): SIPOLATTI, W. G. R.
Orientador: ABREU, G. R.
Data do documento: 2-Mar-2012
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SIPOLATTI, W. G. R., Efeitos do tratamento crônico com tamoxifeno e quimioterapia sobre marcadores de risco cardiovascular em mulheres com câncer de mama
Resumo: O objetivo deste trabalho foi avaliar o papel da hormônioterapia com tamoxifeno sobre marcadores sanguíneos preditivos importantes sobre o risco de desenvolvimento das doenças cardiovasculares, tais como proteína C-reativa (PCR), apolipoproteinas A-1 (Apo-A), apolipoproteinas B-100 (Apo-B), peptídeo natriurético tipo B (BNP) e conseqüentes repercussões ecocardiográficas, principalmente fração de ejeção ventricular esquerda (FEVE) em mulheres submetidas ao tratamento quimioterápico para cancer (CA) de mama. Foram avaliadas 60 mulheres com CA de mama num período de 12 meses, divididas nos seguintes grupos: grupo que recebeu somente quimioterapia (QUIMIO) n=23; grupo que recebeu quimioterapia e tamoxifeno (QUIMIO+TAM) n=21; grupo que recebeu somente tamoxifeno (TAM) n=16. Níveis plasmáticos de PCR foram avaliados no início do tratamento (T0), 3º mês (T3), 6º mês (T6) e 12º mês (T12) de tratamento e de Apo-A, Apo-B e pró-BNP foram avaliados nos tempos T0, T6 e T12. O ecocardiograma foi realizado nos T0 e T12. Foram encontradas elevações nas concentrações plasmáticas de PCR no grupo QUIMIO e QUIMIO+TAM, respectivamente, no 3º (10.85 ± 0.02 mg/dL; 10.81 ± 2.97mg/dL) e 6º meses de tratamento (12.5 ± 1.95 mg/dL; 12.36 ± 2.64 mg/dL). Porém, ao final do 12º mês de tratamento, os grupos QUIMIO+TAM e TAM, respectivamente, apresentaram importante redução (p<0,01) dos valores de PCR (1.04 ± 0.38 mg/dL; 1.04 ± 0.38 mg/dL), Apo-B (94.3 ± 9.3 mg/dL; 96.3 ± 5 mg/dL) e na relação Apo-B/Apo-A (0.53 ± 0.01; 0.52 ± 0.01mg/dL) com aumento significativo dos níveis séricos de Apo-A (179.5 ± 7.64; 185.1 ± 7.87 mg/dL, p<0,01) resultados estes não observados no grupo que utilizou somente a quimioterapia (QUIMIO) (PCR, 5.13 ± 0.75 mg/dL; Apo-B, 109.6 ± 7.4; Apo-B/Apo-A, 0.86 ± 0.01; Apo-A, 128.13 ± 9.34). Os valores plasmáticos de pró-BNP estavam aumentados nos grupos QUIMIO, QUIMIO+TAM no T6 (69,06 ± 11,7 pg/ml; 67,35 ± 11,9 pg/mL, p<0,01) quando comparado ao início do tratamento (8,98 ± 2,1 pg/mL; 9,48 ± 1,79 pg/mL). Já o grupo QUIMIO+TAM no T12 apresentou redução significativa deste peptídeo com valores semelhantes ao grupo TAM (11,39 ± 2,74; 8,35 ± 1,66 pg/mL, p<0,01), mantendo o grupo QUIMIO níveis elevados de pró-BNP (42,35 ± 12,9 pg/mL). Quanto à FEVE, o grupo QUIMIO apresentou importante redução do desempenho cardíaco no T12 (63,3 ± 4,3%, p< 0,01), enquanto que o grupo QUIMIO+TAM e TAM no T12 mantiveram valores semelhantes ao início do tratamento (76,2 ± 3,7%; 75,6 ± 4,1% vs. 73,7 ± 4,2%; 76,8 ± 4,82%, respectivamente). Observamos então, que, a utilização do tamoxifeno por 6 meses reduz significativamente marcadores de risco para DCV e melhora a função ventricular após 6 meses de tratamento quimioterápico para do CA de mama.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8048
Aparece nas coleções:PPGCF - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5746_Tese Walckiria Garcia Romero.pdf2.84 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.