Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8050
Título: Rigidez arterial e seus determinantes em amostra de população negra de Angola e do Brasil
Autor(es): MAGALHAES, P.
Orientador: MILL, J. G.
Coorientador: Roberto de Sa Cunha
Data do documento: 9-Ago-2012
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MAGALHAES, P., Rigidez arterial e seus determinantes em amostra de população negra de Angola e do Brasil
Resumo: Introdução: Estudos têm mostrado maior rigidez aórtica em negros do que em caucasianos. Tendo em conta a diferença na exposição aos fatores risco cardiovascular em negros em função da região de residência, o risco de doenças vasculares difere entre populações negras de diferentes regiões geográficas. Contudo, não existem dados de estudo comparando a rigidez arterial e fatores associados entre populações negras da África e fora desse continente. Também, falta definir os valores de referência da velocidade de onda de pulso carótido-femoral (VOP) ajustados por sexo. O objectivo deste estudo foi comparar a rigidez arterial e seus determinantes entre participantes de Angola e do Brasil. Metodologia: Foram analisados dados de 748 indivíduos que participaram em estudos de corte transversal realizados nos períodos de 1999 a 2000 e 2009 a 2010 em Vitória-Brasil e Luanda-Angola, respectivamente. Os dados foram colectados de acordo com as directrizes do Projeto MONICA/WHO. A VOP foi medida usando o aparelho Complior SP. Os dados quantitativos foram comparados usando o teste t Student ou ANOVA, com ajuste para covariáveis de confusão através da ANCOVA. As proporções foram comparadas pelo teste &#967;2. A regressão linear múltipla foi usada para avaliar os preditores da VOP. Resultados: Dos 748 participantes, idade 44.2 ± 10.6 (22 a 72 anos), 615 eram de Angola e 133 do Brasil. A idade e a pressão arterial sistólica (PAS) foram similares (Angola: 44.5 ± 10.6 vs Brasil: 42.7 ± 10.6 anos, P = 0.068; PAS, Angola: 134.7 ± 24.9 vs Brasil: 134.2 ± 21.7 mmHg, P = 0.796). A pressão arterial diastólica (PAD) e pressão arterial média (PAM) foram maiores no grupo do Brasil do que de Angola (PAD: 90.1 ± 15.1 vs 82.6 ± 14 mmHg, P <0.001; PAM: 104.8 ± 16.8 vs 100 ± 16.9 mmHg, P = 0.003, respectivamente) e a pressão de pulso foi maior no grupo de Angola (52.1 ± 14.9 vs 44 ± 11.2 mmHg). A VOP foi maior no grupo do Brasil (10.4 ± 2.3 vs 9.6 ± 2 m/s, P <0.001). A diferença persistiu após ajustar para idade e pressão arterial (Brasil: 10.2 ± 1.7 vs Angola: 9.6± 1.7 m/s, P <0.001). Pela análise univariada, no grupo inteiro, a VOP esteve associada a idade, pressão arterial, razão cintura-quadril, colesterol total, glicose, ácido úrico, frequência cardíaca e ao sexo. Pela análise multivariada separada por países, os preditores da VOP comuns para ambos países foram a pressão arterial e a idade. A glicose no grupo do Brasil e o sexo no grupo de Angola, foram preditores distintos entre os dois países. Os valores de referência da VOP foram apresentados em tabelas e curvas de percentis. Conclusões: Os resultados sugerem que existe maior rigidez arterial ajustada para idade e pressão arterial no grupo do Brasil. Além da idade e da pressão arterial, outros preditores foram distintos, sugerindo diferente exposição aos fatores de risco entre os dois grupos. Os valores de referência da VOP propostos complementam dados anteriores na população Africana. Palavras chave: Rigidez arterial, preditores, valores de referência de VOP, população negra.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8050
Aparece nas coleções:PPGCF - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5835_Tese Pedro Magalhães.pdf731.65 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.