Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8191
Título: Avaliação clínica da eficiência e efeitos colaterais de duas técnicas de clareamento dental com peróxido de hidrogênio
Autor(es): Beloti, Maria Lucinéia Fim
Orientador: Daroz, Cláudia Batitucci dos Santos
Coorientador: Castro, Matha Chiabai Cupertino de
Data do documento: 23-Jan-2015
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: O objetivo do presente estudo foi avaliar clinicamente a eficiência, quanto ao grau de clareamento dental e satisfação do resultado final pelo paciente, e os efeitos colaterais, quanto à sensibilidade dental e alteração de superfície do esmalte, das técnicas de clareamento caseiro e de consultório com peróxido de hidrogênio. Participaram da pesquisa 30 voluntários saudáveis, de 18-25 anos de idade. Foram utilizados os clareadores a base de peróxido de hidrogênio a 7,5% (Total Blanc Home - Nova DFL), e peróxido de hidrogênio a 35% (Total Blanc Office - Nova DFL). Os indivíduos foram selecionados e distribuídos aleatoriamente em dois grupos: clareamento caseiro, com 2 aplicações de 20 min/dia, por 4 semanas; clareamento de consultório, com 2 aplicações de 20 min/semana, por 4 semanas. A mensuração da alteração de cor foi realizada no dente 11 pela escala Vita Clássica (Vita Zahnfabrik, Alemanha) e espectrofotômetro Vita Easyshade (Vita Zahnfabrik, Alemanha). A sensibilidade dolorosa e satisfação do paciente foram analisadas por meio de escalas ilustrativas, e as alterações de superfície do esmalte por meio de Rugosímetro Portátil SJ 201 (Mitutoyo, Japão) e Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV), usando réplicas em resina epóxica do dente 11, antes e após os clareamentos. Não houve diferenças estatisticamente significativas entre as técnicas clareadoras, quanto à alteração de cor pela escala Vita, sensibilidade e satisfação do paciente (teste de proporções, p>0,05). Quanto à alteração de cor pelo espectrofotômetro, houve maior percentual da cor B1 no momento Final e 7 dias após o clareamento caseiro, e maior percentual da cor A1 7 dias após o clareamento de consultório (teste de proporções, p<0,05). Quanto ao sistema CIE L*a*b*, o clareamento de consultório teve significativamente maiores valores de b* (Mann-Whitney, p<0,05). Não houve alterações significativas na rugosidade superficial do esmalte dental entre os grupos (Mann-Whitney, p>0,05). Concluiu-se que ambas as técnicas foram eficazes em clarear os dentes, contudo o clareamento caseiro proporcionou dentes mais claros quando avaliado pelo espectrofotômetro, sem diferir em relação à morfologia e rugosidade de superfície do esmalte dental. Ambas as técnicas apresentaram sensibilidade leve, sem diferirem no grau de satisfação do paciente.
O objetivo do presente estudo foi avaliar clinicamente a eficiência, quanto ao grau de clareamento dental e satisfação com o resultado final do tratamento clareador, e os efeitos colaterais, quanto à sensibilidade dental e alteração de superfície do esmalte, das técnicas de clareamento caseiro e de consultório com peróxido de hidrogênio. Participaram da pesquisa 30 voluntários, de 18-25 anos de idade. Foram utilizados os clareadores a base de peróxido de hidrogênio a 7,5% (Total Blanc Home) e a 35% (Total Blanc Office). Os indivíduos foram selecionados e distribuídos aleatoriamente em 2 grupos: clareamento caseiro, com 2 aplicações de 20 min/dia, por 4 semanas; clareamento de consultório, com 2 aplicações de 20 min/sessão, 1 sessão/semana por 4 semanas. A mensuração da alteração de cor foi realizada no dente 11 pela escala Vita Clássica e espectrofotômetro Vita Easyshade, nos seguintes momentos: “Inicial”, Final” e “7 dias após” o tratamento clareador. A sensibilidade dental e satisfação com o resultado final do tratamento clareador foram analisadas por meio de escala visual de faces, e as alterações de superfície do esmalte por meio de rugosímetro portátil e Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV), usando réplicas em resina epóxica do dente 11, antes e após os clareamentos. Não houve diferenças estatisticamente significativas entre as técnicas clareadoras, quanto à alteração de cor pela escala Vita, satisfação com o resultado final do tratamento clareador (teste de proporções, p>0,05) e sensibilidade dental (Man-Whitney, p>0,05). Quanto à alteração de cor pelo espectrofotômetro, houve maior percentual da cor B1 nos momentos “Final” e “7 dias após” o clareamento caseiro, e maior percentual da cor A1 “7 dias após” o clareamento de consultório (teste de proporções, p0,05). Concluiu-se que ambas as técnicas foram eficazes em clarear os dentes, contudo o clareamento caseiro proporcionou dentes mais claros quando avaliado pelo espectrofotômetro. A sensibilidade dental encontrada foi leve com ambas as técnicas de clareamento, sem diferenças no grau de satisfação com o resultado final do tratamento clareador e em relação à morfologia e rugosidade de superfície do esmalte dental.
The aim of the present study was to assess clinically the effectiveness of at-home and in-office bleaching with hydrogen peroxide (HP) for color change (CC) and patient’s satisfaction (PS) with the outcome, and the side effects on dental sensitivity (DS) and alteration of enamel surface (AES). Thirty volunteers, age range from 18 to 25 years, participated in this research. The 7.5% and 35% HP gels (Total Blanc Home and Total Blanc Office, respectively) were used. Subjects were selected and randomly distributed into two groups: at-home bleaching group, with 2 applications for 20 min daily, for 4 weeks; in-office bleaching group, with 2 applications for 20 min/week, for 4 weeks. The color change measurements were performed at the upper right central incisor (tooth#11) through Vita Classical shade guide and Vita Easyshade spectrophotometer, in the following times: baseline (T0), immediately after dental bleaching (T1), and seven days after the dental bleaching (T2). The DS and PS with outcome were analyzed through illustrative scales, while the changes in the enamel surface were analyzed through portable surface roughness tester and scanning electron microscopy (SEM), using resin epoxy replicas of tooth#11, before and after bleaching. No statistically significant differences were found between both bleaching techniques for the CC through Vita Classical shade guide, PS with outcome (proportion test, p>.05) and DS (Mann-Whitney test, p>.05). For the CC through the spectrophotomer analysis, it was found higher percentage of B1 shade at the T1 and T2 after at-home bleaching, and higher percentage of A1 shade at T2 after in-office bleaching (proportion test, p.05). It was concluded that both bleaching techniques were effective in bleaching teeth, however the at-home bleaching provided whiter teeth when assessed through spectrophotometer. The DS found to be mild with both dental bleaching techniques, with no differences on PS with outcome of dental bleaching and on morphology and enamel surface roughness.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8191
Aparece nas coleções:PPGCO - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_8475_DISSERTAÇÃO VERSÃO DEFINITIVA 10 MARÇO 2015.pdf3.43 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.