Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8310
Título: Prevalência e fatores associados à violência doméstica: estudo em uma maternidade de alto risco
Autor(es): Fiorotti, Karina Fardin
Orientador: LEITE, F. M. C.
Coorientador: AMORIM, M. H. C.
Data do documento: 20-Dez-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: FIOROTTI, Karina Fardin. Prevalência e fatores associados à violência doméstica: estudo em uma maternidade de alto risco. 2016. 104 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Enfermagem) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.
Resumo: A violência doméstica é um fenômeno que persiste em muitos lugares do mundo, de forma silenciosa e banalizada e que tem, em geral, como principal perpetrador aquele que faz parte do círculo social de suas vítimas. Esse fenômeno pode acometer à mulher nos seus diferentes ciclos de vida. Objetivo: Descrever as prevalências dos tipos de violência doméstica entre puérperas atendidas em uma maternidade de alto risco; examinar a associação desses agravos com variáveis demográficas, socioeconômicas e reprodutivas. Metodologia: Trata-se de um estudo epidemiológico, analítico, observacional do tipo transversal. Participaram do estudo 302 puérperas com pelo menos 24 horas de pós-parto internadas na maternidade do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes nos meses de junho a setembro de 2016. Os dados foram coletados por meio de entrevista com registro em formulário. Foram utilizados um formulário para dados socioeconômicos, demográficos e reprodutivos e o AAS - Abuse Assessment Screen para rastreio de violência doméstica. Resultados: Entre as entrevistadas, 43% das puérperas relataram ter vivenciado situações de maus tratos ao longo da vida, 7,6% foram vítimas de violência física nos últimos 12 meses anteriores à entrevista e 4,6% estiveram em situação de violência física durante a gestação. Houve associação estatística mesmo após regressão entre o desfecho maus tratos ao longo da vida e as variáveis idade, religião e número de gestações das entrevistadas. Da mesma forma, ter vivenciado violência física no último ano e violência física na gestação estiveram fortemente associados à situação conjugal da puérpera. Produtos: Quanto aos produtos, foi elaborado o folder com orientação para as mulheres quanto aos tipos de violência e redes de apoio, bem como foi ampliado o instrumento de coleta de dados da maternidade com questões acerca da violência doméstica. Conclusão: Este estudo reafirma que a violência constitui um fenômeno presente na vida da mulher, inclusive no período gestacional, e que se mostrou associado à condição demográfica e obstétrica da vítima. Além disso, entende-se como estratégia de enfrentamento da violência a utilização de instrumentos pelo serviço de saúde que permitam identificar a violência e assim promover cuidado mais qualificado às vítimas, bem como o processo de educação em saúde deve fazer parte das atividades dos profissionais, com orientações às usuárias sobre o fenômeno da violência contra a mulher.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8310
Aparece nas coleções:PPGENF - Dissertações de mestrado profissional

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10477_Karina dissertação final_ficha catalografica.pdf3.21 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.