Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8355
Título: Estudo químico de alcaloides nas raízes de Worsleya procera (Lem.) Traub (Amaryllidaceae)
Autor(es): SALARINI, K. L. G.
Orientador: BORGES, W. S.
Data do documento: 31-Jul-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SALARINI, K. L. G., Estudo químico de alcaloides nas raízes de Worsleya procera (Lem.) Traub (Amaryllidaceae)
Resumo: Composta por mais de 1600 espécies com distribuição mundial, a família Amaryllidaceae destaca-se pela produção de alcaloides isoquinolínicos aos quais são atribuídas atividades biológicas como: antitumoral, anti-inflamatória, analgésica, antimicrobiana e ação inibitória e reversível da enzima acetilcolinesterase. No Brasil, até o momento, foram contabilizadas 141 espécies de Amaryllidaceae, das quais 62 são endêmicas e algumas estão ameaçadas de extinção como é o caso de Worsleya procera (Lem.) Traub, única representante do gênero Worsleya. Esta espécie ocorre exclusivamente no Estado do Rio de Janeiro (RJ) e até o momento não foram encontrados estudos fitoquímicos publicados para esta espécie. Foram coletadas amostras das raízes de Worsleya procera (Lem.) Traub na Área de Proteção Permanente da Região Serrana de Petrópolis (RJ) e após maceração e extração ácido-base obteve-se extratos enriquecidos em alcaloides. A análise preliminar por cromatografia gasosa acoplada a espectrometria de massas (CG-EM) identificou 12 compostos já conhecidos além de outros 18 não identificados pela base de dados cedida pelo Prof. Dr. Jaume Bastida da Universidade de Barcelona. Empregando-se técnicas cromatográficas, espectroscópicas e espectométricas isolou-se e identificouse os alcaloides licorina, tazetina, 3-epimacronina, homolicorina, albomaculina, ismina e trisfaeridina. As raízes de Worsleya procera são uma rica fonte de alcaloides, especialmente de licorina e tazetina. A identificação destes compostos pode contribuir para quimiotaxonomia da espécie bem como em pesquisas envolvendo atividades biológicas devido à quantidade de alcaloides isolados. Palavras-chave: Alcaloides isoquinolínicos. Amaryllidaceae. Worsleya.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8355
Aparece nas coleções:PPGCFAR – Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_9422_Dissertação Final - Karla Loriatto Gonring Salarini.pdf3.37 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.