Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8375
Título: NO MOVIMENTO DO JONGO: A EDUCAÇÃO FÍSICA E AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS NA ESCOLA
Autor(es): RANGEL, G. S.
Orientador: SALIM, M. A. A.
Coorientador: LOCATELLI, A. B.
Data do documento: 22-Fev-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: RANGEL, G. S., NO MOVIMENTO DO JONGO: A EDUCAÇÃO FÍSICA E AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS NA ESCOLA
Resumo: O trabalho de pesquisa objetiva a investigação da prática do Jongo no município de São Mateus buscando articulá-lo às práticas de ensino da disciplina de Educação Física. Considera que é preciso fortalecer as discussões que acentuem a urgência de revisão dos currículos escolares na tentativa de adequá-los à diversidade étnico-racial presente nas escolas, por meio de uma proposta que atenda às necessidades dos diversos grupos que vêm conquistando mais espaços nos modos de pensar e produzir cultura a partir de uma nova perspectiva de sociedade. Busca inicialmente, compreender os caminhos percorridos pela Educação Física desde sua inserção na escola, com vista a atender aos ideais políticos do Estado, até sua abertura (a partir da década de 80) para uma perspectiva mais humanizada ao pensar seus conteúdos. Somente a partir dessa abertura se torna possível pensar as manifestações culturais inseridas nas práticas de ensino dessa disciplina. Este trabalho focou especificamente a prática do Jongo, manifestação cultural afro-brasileira, encontrada exclusivamente na região sudeste do país. Para análise dessa prática realizou um estudo que tomou como fonte as bibliografias pertinentes ao assunto, bem como algumas fontes orais, jongueiros do município. Após estudo, realizou trabalho de campo com alunos e professores. Com os alunos, desenvolveu intervenção prática em encontros realizados em uma escola municipal, com alunos do 5º ano do ensino fundamental, durante nove aulas de Educação Física, uma vez que, o trabalho foi realizado em parceria com o professor da disciplina. Com os professores, desenvolveu um encontro de formação para informar acerca desse trabalho e possibilitou também a vivência prática do Jongo, e fez algumas exposições teóricas sobre a prática. Conclui, apresentando o ambiente escolar, bem como a disciplina de Educação Física como espaço propíciopara tratar a temática étnico-racial, por cumprir tanto com o papel de colaborar nos processos de perpetuação e ressignificação das práticas culturais locais, quanto no enfrentamento das diferentes formas de racismo e preconceito presentes nessa instituição. A inserção de conteúdos dessa natureza também auxilia nos processos de formação das identidades em crianças negras, que a partir da apresentação da riqueza e beleza da cultura desse povo, passa a perceber a existência de representatividade para assim, vir a se identificar. Por fim, afirma a urgência de se discutir e apresentar alternativas visando uma maior valorização e perpetuação das práticas culturais locais, muitas vezes esquecidas e/ou ignoradas pelo poder público municipal e por esse motivo vem enfrentando grandes dificuldades para manter vivas suas tradições.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8375
Aparece nas coleções:PPGEEB – Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10708_Gleisiele Saraiva Rangel.pdf2.96 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.