Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8387
Título: Considerações acerca das políticas públicas de formação docente no Brasil e no Espírito Santo em perspectiva histórica
Autor(es): OLIVEIRA, A. P.
Orientador: OLIVEIRA, U. J.
Palavras-chave: Formação docente
Constituição de 1988
Políticas públicas
Data do documento: 27-Jul-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: OLIVEIRA, A. P., Considerações acerca das políticas públicas de formação docente no Brasil e no Espírito Santo em perspectiva histórica
Resumo: A pesquisa trata das políticas de formação docente, verificadas no Brasil e no Estado do Espírito Santo no contexto do federalismo brasileiro, especialmente a partir da Constituição de 1988. Procurou-se cotejar alguns aspectos que tencionam o processo federativo e as políticas de formação docente em âmbito regional, tais como gestão pública, reformas educacionais e o Estado regulador. Partimos da hipótese de que um novo modelo de regulação de políticas educacionais emergiu do ciclo de reformas do Estado dos anos 1990, o que redundou na submissão das políticas educacionais e de formação de professores aos organismos internacionais, aos quais o próprio governo federal também se submeteu em um sentido mais amplo. Tomamos como referência teórica o conceito de federalismo e regulação. Destacamos, com base em pesquisas recentes e em pesquisa documental, algumas tendências que permanecem ao longo do tempo: a desvalorização do trabalho docente, as descontinuidades das políticas de formação de professores inicial e continuada, ressaltando algumas das dificuldades enfrentadas por professores. No desenvolvimento do trabalho, se discute em que sentido os termos formação de professores, política de formação, trabalho docente, valorização do professor, se relacionam hoje com a profissionalização articulada a uma determinada concepção de competência, calcada na experiência imediata, no saber/fazer, e como tal processo favorece o fortalecimento de uma concepção de formação de professores que secundariza a necessidade da compreensão dos fundamentos teóricos, epistemológicos, que embasam o trabalho docente. Afirmamos que a difusão de uma compreensão pragmática, da formação docente, colabora para constituir um professor desintelectualizado, contribuindo para que a preocupação com a apropriação e socialização do conhecimento científico/elaborado, seja cada vez menor no interior das escolas.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8387
Aparece nas coleções:PPGEEB – Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_11311_54 - Andressa Paula de Oliveira.pdf1.01 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.