Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8388
Título: Desenvolvimento de sinais em Libras para o ensino de Química Orgânica: um estudo de caso de uma escola de Linhares/ES
Autor(es): PONTARA, A. B.
Orientador: MENDES, A. N. F.
Palavras-chave: Educação Inclusiva
Material Didático
Ensino de Surdos
Data do documento: 3-Jan-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: PONTARA, A. B., Desenvolvimento de sinais em Libras para o ensino de Química Orgânica: um estudo de caso de uma escola de Linhares/ES
Resumo: Por meio de pesquisa bibliográfica, prática docente, e indagação a intérpretes de Libras e professores de Química constatou-se que há carência de material didático específico para o Ensino de Química para alunos surdos. Ao fazer a pesquisa bibliográfica não foram encontrados na literatura especializada dicionários, livros e/ou artigos científicos um número significativo de sinais que contemplem o Ensino de Química para surdos, em especial o ensino de Química Orgânica. Diante disso, para aperfeiçoar o processo de ensino, desenvolveram-se cinco apostilas, três modelos de avaliações, cinco jogos e dois roteiros de aulas experimentais, todos adaptados ás necessidades dos surdos, além de um glossário de sinais químicos em Língua de Sinais, para auxiliar as intérpretes e alunos na compreensão do material desenvolvido. Para tanto, foi necessário realizar um breve estudo histórico sobre a educação de surdos no Brasil e no mundo. A pesquisa bibliográfica procurou identificar propostas teóricas em relação ao uso da Língua Brasileira de Sinais para o Ensino de Química, bem como a necessidade de material adaptado para que ocorra uma aprendizagem significativa da Química. Essa carência dificulta a comunicação e a construção do conhecimento do aluno surdo que tem a Língua Brasileira de Sinais (Libras) como sua primeira língua. O estudo ocorreu na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Bartouvino Costa ao longo do ano letivo de 2016, com a colaboração de dois alunos surdos, oito intérpretes e três professoras de Química. Os resultados obtidos demostram que a criação de termos químicos para a língua de sinais, bem como, materiais ricos em imagens e esquemas representacionais contribuem de forma significativa para o processo de ensino-aprendizagem da Química a alunos surdos.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8388
Aparece nas coleções:PPGEEB – Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_11676_Divulgação de Defesa_Amanda.pdf241.07 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.