Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8430
Título: MODELAGEM MATEMÁTICA DO ARMAZENAMENTO GEOLÓGICO DE CO2 EM AQUÍFEROS SALINOS PROFUNDOS
Autor(es): BIGOSSI, J. T. C.
Orientador: MENEGUELO, A. P.
Coorientador: RIBEIRO, D. C.
Data do documento: 7-Mar-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: BIGOSSI, J. T. C., MODELAGEM MATEMÁTICA DO ARMAZENAMENTO GEOLÓGICO DE CO2 EM AQUÍFEROS SALINOS PROFUNDOS
Resumo: A maioria dos cenários de previsão de mudanças climáticas considera um aumento significativo das emissões de gases do efeito estufa, na ausência de ações mitigadoras. Porém, mesmo com ações mitigadoras a fim de limitar o aumento da temperatura global em 2°C, o suprimento primário de energia será 40% com base em combustíveis fósseis até a metade do século. A tecnologia para captura e armazenamento de carbono (CCS) é a única tecnologia capaz de obter significantes reduções das emissões a partir do uso de combustíveis fósseis. Uns dos principais questionamentos são se a técnica é segura e quais os impactos ambientais que implicam diretamente na aceitação da tecnologia e seu potencial desenvolvimento. A principal maneira para se responder a esses questionamentos é por meio da modelagem matemática do escoamento do CO2 em seu local de armazenamento. Sendo assim, é apresentada uma ampla revisão sobre o armazenamento geológico de CO2, com enfoque no armazenamento em aquíferos salinos e nos processos físicos e químicos que acometem o CO2 injetado. É apresentada uma descrição completa do modelo matemático para esse sistema e dos submodelos termodinâmicos aplicados nas modelagens desenvolvidas nos trabalhos revisados. A partir da revisão dos trabalhos, concluiu-se que uns dos mecanismos de trapeamento mais importantes para o sucesso da armazenagem de CO2 é o trapeamento residual (ou capilar), por ocorrer em períodos de tempo moderados referentes a esse sistema (centenas a milhares de anos) e por influenciar nos demais mecanismos de trapeamento. Com base nisso, foi desenvolvido um modelo matemático que permitiu a avaliação desse mecanismo, levando em consideração os efeitos da pressão capilar e a histerese da permeabilidade relativa. É reconhecido que os outros mecanismos de trapeamento do CO2, não levados em conta no modelo apresentado, são importantes para o entendimento do comportamento do CO2 e merecem ser considerados.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8430
Aparece nas coleções:PPGEN – Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10779_Dissertação_prévia.pdf1.84 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.