Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8539
Título: NOS LIMIARES DO FORA: EXPERIÊNCIA E NARRATIVIDADE EM POLÍTICAS DE SAÚDE E EDUCAÇÃO
Autor(es): FREITAS, M. C. A.
Orientador: Barros, M. E. B. de
Palavras-chave: Saúde
Trabalho
Educação
Narratividade
Política
Data do documento: 7-Fev-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: FREITAS, M. C. A., NOS LIMIARES DO FORA: EXPERIÊNCIA E NARRATIVIDADE EM POLÍTICAS DE SAÚDE E EDUCAÇÃO
Resumo: Esta tese é fruto de uma pesquisa-conversação que investiga a produção de saúde no âmbito do trabalho em educação, por meio do acompanhamento das Comissões de Saúde do Trabalhador Cosates, de Serra/ Espírito Santo, no período de 2014 a 2017. Tais comissões constituíram-se como dispositivo do Fórum Cosate, fruto de um intenso movimento entre diversos órgãos municipais, trabalhadores da educação e pesquisadores do Programa de Formação e Investigação em Saúde e Trabalho PFIST, da Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Para tanto, a Tese se estrutura em três grandes seções, a saber: Uma Contação em conversa: que inclui duas prosas e a dissolução da centralidade das narrativas juntamente com a apresentação das figuras: a de uma pesquisadora desajeitada e a de um trabalhador abestalhado. Junto às prosas se seguem os indícios que apresentam os argumentos sustentados na tese: Indício I. O uso do ensaio e da forma/ conteúdo adotada mostra uma linguagem praticada, sustentada pela ideia de que pensar, agir, escrever e viver são modos que não se dissociam prerrogativa ética da pesquisa. Um trabalho, portanto, tem dimensões políticas e éticas incalculáveis a priori, porque constituindose em um trabalho inventado, não se resume ao plano do prescrito, apenas, assim como faz explodir o continuum da experiência, colocando em jogo um real que vem impresumível e em feitura movente; Indício II. A afirmação da experiência como Fora não há anterioridade dada, a experiência não é algo que pertença a alguém que se tenha ou não mas algo que nos atravessa e da qual fazemos uso ou fazemos funcionar, não por uma expertise, mas muito mais por ser algo que nos implica de forma transformadora na vinculação ao campo relacional e que, portando, porta a transmissibilidade e não uma efetuação total. Isso se articula à própria política de escrita do trabalho, que é uma escrita-experiência ou uma experiência-escritura. A segunda seção compreende as compósitas do campo: cenas do campo empírico que dão corpo à Tese, empreendem uma política do contar que se realiza em exercício de montagem e que expõe o método de composição no movimento de cartografar algumas intervenções-passagens da pesquisa. A terceira e última parte contém dois ensaios: As coisas não têm paz e O movente e o aturdido que expõem algumas das questões surgidas no acompanhamento do campo, encaminhando-as para as articulações com a questão da narratividade e da experiência, a partir da mostração de fragmentos orais e escritos, registrados pela pesquisa, num exercício de distância e aproximação e de coconstrução de questões.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8539
Aparece nas coleções:PPGE - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_12095_TESE CAROL 24.03.2018FINAL ENTREGA.pdf9.48 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.