Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8625
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorLIMA, M.
dc.date.accessioned2018-08-01T23:37:16Z-
dc.date.available2018-08-01
dc.date.available2018-08-01T23:37:16Z-
dc.identifier.citationTEIXEIRA, Z. S., A TRAJETÓRIA HISTÓRICA DOS MODELOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DO ESPÍRITO SANTO (1952-2002)por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/8625-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleA TRAJETÓRIA HISTÓRICA DOS MODELOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL DO ESPÍRITO SANTO (1952-2002)por
dc.typemasterThesisen
dc.contributor.memberPINTO, A. H.
dc.contributor.memberCOLBARI, A. L.
dc.contributor.memberSIMOES, R. H. S.
dcterms.abstractNeste trabalho, analisamos a trajetória histórica dos modelos de formação profissional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Espírito Santo de 1952 a 2002. Operando com o pensamento crítico, de base marxista, empreendemos uma reconstrução histórica baseada na pesquisa bibliográfica e análise documental. Nossas principais fontes foram os relatórios do Senai-ES (1955-2002), materiais de formação docente (FAI, FOFO, PETRA e FPBC) e registros escolares do período. Dialogamos, também com Alves e Vieira (1996), Bologna (1980), Bennett (2015), Bryan (1983 e 1992), Fonseca (1986), Muller (2009); Cunha (2000a, b e c), Fonseca (1986), Lima (2007), Medeiros (1987), Moraes (2003), Muller (2009) e Zuchi (2012). O esforço historiográfico em tela nos permitiu analisar as principais permanências e descontinuidades dos modelos pedagógicos do Senai-ES, gerando uma periodização que buscou apresentar historicamente a implementação dos modelos de formação baseados na Série Metódica Ocupacional (SMO) no período de 1952 a 1992. Desse modo, movendo-se do modelo monotécnico sem formação geral para menores (1952-1959), passando pela consolidação dos modelos multitécnico com formação geral para menores e monotécnico para jovens e adultos (1960-1981), no período de 1981 a 1992, a instituição experimenta um declínio da formação mais ampla para uma formação mais estreita, inclinando-se ao modelo monotécnico sem educação geral. Nos anos de 1990, o Senai, admitindo a crise de seu modelo educacional centrado no aprender fazendo (SMO), vai incorporar, inicialmente, com o Modelo Petra e, posteriormente e definitivamente com a Formação Baseada em Competências (FPBC) em 2002. Pela pesquisa, no entanto, concluímos que esse movimento se voltou mais para questão do financiamento e para busca pelo atendimento acelerado às demandas empresariais do que por questões pedagógicas. Para tanto, a instituição desloca o centro de sua didática do conceito de qualificação para a noção de competências, do conceito de formação para o mercado para o mercado da formação, esvaziando o projeto de um ensino para o emprego e assumindo o ensino para empregabilidade.por
dcterms.creatorTEIXEIRA, Z. S.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2018-06-14
dcterms.subjectModelo de Formaçãopor
dcterms.subjectSenai-ESpor
dcterms.subjectSéries Metódicas Ocupacionaispor
dcterms.subjectpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Educaçãopor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Educaçãopor
Aparece nas coleções:PPGE - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_12352_Dissertação de Mestrado - Zilka Sulamita Teixeira.pdf5.91 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.