Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8663
Título: NTERDEPENDÊNCIA e Colaboração em Contextos Escolares Inclusivos
Autor(es): ZIVIANI, M. C. N.
Orientador: CELIO SOBRINHO, R.
Palavras-chave: Inclusão Escolar
interdependência
Prática Pedagógica e Col
Data do documento: 9-Jun-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: ZIVIANI, M. C. N., NTERDEPENDÊNCIA e Colaboração em Contextos Escolares Inclusivos
Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo principal analisar as inter-relações do professor de ensino comum e do professor especialista em Educação Especial em um contexto escolar de escolarização de estudantes em situação de deficiência intelectual, considerando a política educacional implementada no município de São Mateus/ESBRA. Sendo, nessas inter-relações, as interdependências e colaboração, foco de nossas análises. Tomamos como referência os pressupostos da Sociologia Figuracional, elaborada no conjunto das obras de Norbert Elias, considerando os conceitos e noções do processo civilizador, figurações e interdependências. No que se refere a políticas e práticas desenvolvidas na Educação Especial, numa perspectiva inclusiva, buscamos conhecer as produções da legislação e dos serviços ofertados pelo município. O nosso caminho metodológico perpassou pela pesquisa de natureza qualitativa, e nos baseamos na pesquisa-ação colaborativocrítico. Como instrumento de coleta de dados, utilizamos a observação, questionários semiestruturados e a construção de práticas colaborativas no contexto de uma escola que conta com a matrícula e presença de estudantes em situação de deficiência intelectual. Os principais apontamentos nos permitem reiterar que a implementação de práticas de colaboração entre os professores de ensino comum e o professor especialista, tendem repercutir positivamente na consecução de práticas pedagógicas e contribuir no processo de constituição de saberes docentes mais qualificados às demandas da escolarização de estudantes com deficiência intelectual. No estudo realizado, contudo, tanto a professora do ensino comum, quanto à professora especialista encontram-se numa dinâmica em que as ações ocorrem muito mais no âmbito individual, marcado por restritas iniciativas de constituir um movimento de (re) criação de oportunidades para construção de elos e práticas em benefício da escola como inclusiva. Constatamos que, salta aos olhos, a ausência de uma organização escolar que permita aos profissionais acima citados, e demais profissionais da escola, momentos que possam discutir para que possivelmente seja construído um espaço que conjugue a coletividade. Sendo o fator tempo justificado para tais ausências como um condicionante para a desqualificação da educação escolar. Reconhecemos ser esse um processo lento e complexo, tanto na figuração da escola, quanto no âmbito municipal, pois exigirá um movimento de permissão, em que cada indivíduo entre no jogo, permitindo assim mudar de posição, refazer caminhos, ora recuar, ora avançar, mas envolver-se com o jogo.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8663
Aparece nas coleções:PPGE - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_9902_MARIZA CARVALHO NASCIMENTO ZIVIANI.pdf1.28 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.