Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8891
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorPascuci, Lucilaine Maria-
dc.date.accessioned2018-08-01T23:40:22Z-
dc.date.available2018-08-01-
dc.date.available2018-08-01T23:40:22Z-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/8891-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.subjectGestão hospitalarpor
dc.subjectManagerialismpor
dc.titlePlanejamento estratégico como prática managerialista em organizações hospitalarespor
dc.typemasterThesisen
dc.subject.udc65-
dc.subject.br-rjbnHospitais - Administração.por
dc.subject.br-rjbnGerência.por
dc.subject.br-rjbnSistemas de controle ajustávelpor
dcterms.abstractHospitais são caracterizados como Sistemas Adaptativos Complexos (SAC) por apresentarem significativa presença de características como: não linearidade, imprevisibilidade, dinamicidade das interações e agentes autônomos, os quais fazem com que o sistema aprenda e evolua continuamente, desafiando seus gestores. Visando maior profissionalização da gestão, essas organizações têm adotado metodologias de gestão tais como o Planejamento Estratégico (PE) voltadas, principalmente, ao desempenho financeiro, nem sempre observando as peculiaridades organizacionais, caracterizando-se como uma prática reconhecida como managerialism. Diante desse contexto, este estudo questiona: Quais as implicações do Planejamento Estratégico no desempenho organizacional de hospitais, como Sistemas Adaptativos Complexos? Para tanto, investigou-se as características e a influência de elementos tais como interações, não linearidade e aprendizado, no Planejamento Estratégico de duas organizações hospitalares da Região Sudeste. Esse estudo tem base em conceitos de Estratégia em Organizações e da Teoria da Complexidade. Trata-se de um estudo comparativo de casos, com corte transversal e de natureza qualitativa. Os dados foram coletados por meio de entrevistas em profundidade, observação não participante e documentos, os quais foram analisados por meio de técnicas de análise de narrativa e análise documental. Resultados evidenciaram que o PE adotado nos Hospitais segue a orientação tradicional, ou seja, apresenta características managerialistas que tem no desempenho financeiro o seu foco principal. A não observação das especificidades organizacionais limitou a efetividade do PE nos hospitais investigados. As características de SAC permitiram compreender as razões das dificuldades encontradas: 1) a não linearidade é potencializada pela autonomia dos agentes e grupos de agentes por tratar-se de organização profissional; 2) as decisões são fortemente influenciadas pela imprevisibilidade do hospital e, por isso, a dinamicidade das interações informais se torna mais efetiva do que o planejamento deliberado; 3) a capacidade de aprendizado dos agentes demonstrou ser essencial para lidarem com o imprevisto, contribuindo para a gestão estratégica das organizações, não necessariamente por meio do Planejamento Estratégico. A partir desses resultados, conclui-se que, embora algumas estratégias planejadas tenham sido implementadas, prevalece na gestão estratégica de hospitais as estratégias emergentes, muito influenciadas pela multiplicidade e pluralidade de agentes, pelos interesses divergentes entre grupos (especialmente administrativo e profissional), e pela constante necessidade de adaptação dos agentes para promover mudanças. Por tratar-se de um hospital, o desempenho assume uma vertente social que, juntamente com a financeira, além de não equilibrado se torna motivo de conflito para o público interno, especialmente, junto aos profissionais especialistas. Por fim, o Planejamento Estratégico demonstrou cumprir um papel simbólico, legitimando a gestão dos hospitais perante o mercado.por
dcterms.abstractHospitals are described as Complex Adaptive Systems (CAS) for showing significative presence of peculiarities such as: nonlinearity, unpredictability, dynamicity of interactions and autonomous agents, which guarantee the learning and evolution of the system continuously, challenging their managers. Aiming at greater professionalization of management, these organizations have adopted management methodologies - such as the Strategic Planning (SP) - focusing, principally, on the financial performance, not always observing the organizational peculiarities, characterized as a practice recognized as managerialism. In this context, the question of this study: What are the implications of strategic planning in organizational performance of hospitals, as a Complex Adaptive Systems? Therefore, we investigated the characteristics and influence of factors such as interactions, nonlinearity and learning on strategic planning in two hospitals organizations in the Southeast Region. This study is based on Strategy Concepts in Organizations and Complexity Theory. It is a comparative case study, with traverse analysis and qualitative nature. Data were collected through in-depth interviews, non-participant observation and documents. Which were analyzed using narrative analysis techniques and documentary analysis. Results showed that the SP adopted in hospitals follows the traditional orientation, in other words, has managerialist features it has in financial performance its main focus. Failure to observe the organizational specificities has limited the effectiveness of SP in the hospitals investigated. The CAS features allowed us to understand the reasons for the difficulties encountered: 1) non-linearity is enhanced for the autonomy of agents and agent groups for being professional organization; 2) decisions are strongly influenced by the unpredictability of hospital, therefore, the dynamics of informal interactions becomes more effective than deliberate planning; 3) learning ability of agents shown to be essential to deal with the unexpected, contributing to the strategic management of organizations, not necessarily through the Strategic Planning. Thus, it is concluded that, although some planned strategies have been implemented, prevails in the strategic management of hospitals the emerging strategies, very influenced by the multiplicity and plurality of agents, divergent interests between groups (especially administrative and professional) and the constant need for adaptation of agents to promote changes. Since is a Hospital, the performance takes on a social dimension, which, together with the financial, besides not balanced becomes source of conflict for the internal public, especially with the professional experts. Strategic Planning showed accomplish a symbolic role, legitimizing the management of hospitals in the market.eng
dcterms.creatorBisi, Ananda Barcelos-
dcterms.formatTextpor
dcterms.issued2016-11-17-
dcterms.languageporpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Administraçãopor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqAdministraçãopor
dc.publisher.courseMestrado em Administraçãopor
dc.contributor.refereePelissari, Anderson Soncini-
dc.contributor.refereeMeyer Júnior, Victor-
dc.contributor.refereeAraujo, Bruno Felix Von Borell de-
Aparece nas coleções:PPGADM - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_10419_Dissertação Ananda Barcelos Bisi.pdf1.54 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.