Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8930
Título: Contribuições de Focault a temática da gestão e subjetividades : uma análise sobre poder
Autor(es): Souza, Eloisio Moulin de
Orientador: Bianco, Mônica de Fátima
Coorientador: Machado, Leila Aparecida Domingues
Data do documento: 20-Dez-2004
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Observa-se que a Critical Management Studies (CMS) ou teoria crítica em administração tem sido utilizada por muitos pesquisadores organizacionais. Dentro da teoria crítica temos correntes marxistas, neo-marxistas e foucaultianas. A análise foucaultiana aparece neste contexto como uma alternativa para os estudos que envolvem a temática poder. Assim, trata-se de analisar, por meio de um estudo bibliográfico, o que é poder na obra de Michel Foucault e trazer as contribuições do seu pensamento para contrapô-las a literatura predominante na área de organizações, principalmente com as obras de Mintzberg, Crozier, Crozier e Friedberg que estudaram o poder dentro das organizações. Para Foucault o poder é microfísico, não está fixo em nenhum ponto de toda estrutura social, pois se constitui por meio de práticas sociais. Não existe para o filósofo nenhuma origem, fonte ou essência do poder, pois o poder é algo que não pode ser possuído, constituindo-se como sendo uma relação, podendo apenas ser exercido por meio de relações sociais. Desta forma, quando Foucault utiliza a palavra poder, esta deve ser entendida como relações de poder. Foucault não tenta construir uma teoria sobre o poder e a sua obra tem como principal intuito analisar os processos de subjetivação que constituem a subjetividade humana. Para Mintzberg, Crozier, Crozier e Friedberg o poder possuí uma fonte e origem, sendo que os mesmos intentam construir uma teoria sobre o poder por meio de uma análise das organizações e as suas estruturas. O pensamento de Foucault abre novas perspectivas para diversos campos dos estudos organizacionais, não se restringindo apenas aos estudos sobre poder, ampliando e auxiliando a forma de analisar-se a gestão organizacional como um todo.
Critical management studies (CMS) or the critical theory in administration has been utilized by many organizational researchers. Inside the critical theory there are Marxists, neo-Marxists and Foucaultian chains. Foucaultian analysis appears in this context as an alternative for studies that involve power theme. Therefore, analyses is made, by a bibliographical study, what is power in Michel Foucault’s work and bring a contribution from his thoughts to contra pose to the predominant literature in the organizational area, mainly with the works by Mintzberg, Crozier, Crozier and Friedberg that studied power within organizations. To Foucault, power is microphysical, is not fixed in any point of the whole social structure because it constitute itself from social practices. For the philosopher there is no origin, source or essence of power, because power is something that cannot be possessed, constituting itself as a relation, being able to be executed only by social relations. In this manner, when Foucault utilizes the word power, this must be understood as power relationships. Foucault does not try to construct a theory on power and his work has as a main goal to analyze subjective processes that constitute human subjectivity. For Mintzberg, Crozier, Crozier and Friedberg, power has a source and origin, and they try to construct a theory on power by the ways of organizational analysis and its structures. Foucault thought opens new perspectives for several fields of organizational studies, not restricting itself only to studies on power, expanding and helping the way to analyze organizational management as a whole.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8930
Aparece nas coleções:PPGADM - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_223_Eloísio Moulin.pdf643.43 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.