Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9005
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorALMEIDA, U. R.-
dc.date.accessioned2018-08-01T23:41:13Z-
dc.date.available2018-08-01-
dc.date.available2018-08-01T23:41:13Z-
dc.identifier.citationBUSCAROLI, M. W., O Trabalho dos Psicólogos do Tribunal de Justiça do Espírito Santo do Ponto de Vista da Atividadepor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/9005-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleO Trabalho dos Psicólogos do Tribunal de Justiça do Espírito Santo do Ponto de Vista da Atividadepor
dc.typemasterThesisen
dc.contributor.memberMUNIZ, H. P.-
dc.contributor.memberZAMBONI, J.-
dcterms.abstractEsta pesquisa teve como objetivo colocar em análise a atividade dos psicólogos que atuam nas Centrais de Apoio Multidisciplinar do Tribunal de Justiça do Espírito Santo. Este estudo prestou-se também a acompanhar as estratégias e ações protagonísticas que esses trabalhadores estão implementando e compartilhando entre si, reformulando a organização do trabalho nas Centrais e no próprio Tribunal. Daí o porquê de fazermos essa pesquisa do ponto de vista da atividade. Os principais intercessores teóricos convocados a fomentarem as análises foram Yves Clot e Christophe Dejours, assim como as contribuições de Michael Foucault. Como estratégia metodológica para a produção de dados, optamos por uma postura baseada na cartografia, onde tentamos acompanhar processos, movimentos e intensidades dos sujeitos. Para isso, foram realizadas 04 entrevistas com psicólogos das Centrais de Cariacica, Serra, Vila Velha e Vitória, gravadas e posteriormente transcritas. Essas entrevistas foram possibilitadas a partir de um roteiro que teve como funcionalidade, variar a conversa com as profissionais sobre tópicos mais estruturais que versavam sobre o serviço, seu cotidiano e práticas desenvolvidas. O roteiro abordou assuntos relativos a finalidade da Central de Apoio Multidisciplinar, a questão da autonomia dos trabalhadores para organizar suas ações no trabalho, sobre espaços de construção e compartilhamento de saberes e estratégias de trabalho, entre outras questões. Percebeu-se a partir das análises, que os psicólogos que atuam nas Centrais acrescentam algo de si às prescrições, criam espaços de discussão e de compartilhamento de estratégias de trabalho, voltam suas atenções ao cuidado com a vida e esmeram-se em desenvolver um trabalho bem-feito.por
dcterms.creatorBUSCAROLI, M. W.-
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2016-12-05-
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Psicologia Institucionalpor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Psicologia Institucionalpor
dc.contributor.advisor-coGOMES, R. S.-
Aparece nas coleções:PPGPSI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_10541_Magno.pdf615.59 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.