Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9009
Título: Dissidências em Curso: Transicionando Gêneros nos Currículos e nas Práticas Discursivas em Psicologia
Autor(es): ROSEIRO, M. C. F. B.
Orientador: RODRIGUES, A.
Data do documento: 7-Abr-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: ROSEIRO, M. C. F. B., Dissidências em Curso: Transicionando Gêneros nos Currículos e nas Práticas Discursivas em Psicologia
Resumo: Os problemas disparadores dessa pesquisa referem-se às normalizações, quanto aos saberes das sexualidades e dos gêneros dissidentes, e aos jogos de verdade que as acompanham, na constituição de discursos que legitimam a psicologia como campo disciplinar alinhado aos discursos médicos patologizantes das subjetividades contrahegemônicas. Buscamos, a partir dessas problematizações iniciais, a proposta de uma pesquisa-intervenção no campo dos currículos em psicologia e dos processos de subjetivação na produção desses discursos e saberes em sexualidades e gênero. Consideramos que outros regimes de verdade podem ser construídos ao refutarmos o privilégio desses discursos acadêmicos em relação a modos de produção de conhecimento que emergem dos ativismos e das vivências das dissidências de gênero. Contudo, ainda nos propomos à produção de discurso acadêmico, que afirmamos como campo estratégico, no qual somos convocadas a posicionamentos e implicações ético-estético-políticos que se articulam a esses e outros ativismos e movimentos sociais. Situamo-nos entre os estudos dos processos de subjetivação, em referência às afirmações de Foucault (2004) quanto a uma produção política dos discursos e dos sujeitos do conhecimento, bem como dos seus processos de objetivação, visto que trataremos de relações de poder na constituição dos saberes que se articulam, no dispositivo da sexualidade, enquanto objeto legitimado ao campo da psicologia. Nesse sentido, dispomo-nos a movimentos de pesquisa nos quais os tensionamentos nos interessam onde as práticas discursivas se atritam e se articulam nos jogos de verdade que autorizam e desapropriam saberes na psicologia. A análise institucional incide na constituição desse campo, viabilizando essa mobilidade de um percurso cartográfico, no qual analisadores e implicações se colocam como dispositivos de uma pesquisa-intervenção. Neste campo movediço, no qual buscaremos transitar ou transicionar, reconhecemos um lugar autorizado à psicologia, em que se demanda um discurso verdadeiro sobre sexualidades e gênero, legitimado pelo status de ciência que responde às questões da intimidade dos sujeitos. Essa posição enunciadora, que a priori normaliza experiências de si múltiplas e diversas será discutida na produção de currículos em psicologia, em seus tensionamentos e confluências com expressões das dissidências sexuais e de gênero, compondo narrativas que se costuram em percursos de coletivos e ativismos feministas e LGBT´s, bem como na proposta de uma disciplina na graduação em psicologia, por meio de estágio em docência. Na transversalidade desses percursos, o texto se prolifera por análise das implicações vividas e convividas, entre as quais compomos as narrativas dessa dissertação, questão de uma busca, ainda que incipiente, das dissidências de gênero enquanto o lugar de um não-homem, pela descolonização do sujeito epistêmico. Palavras-chave: gêneros; sexualidades; normalização; subjetivação; discursos; currículos; educação; transversalidade; dissidências.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9009
Aparece nas coleções:PPGPSI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10934_MARIA CAROLINA ROSEIRO.pdf9.06 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.