Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9011
Título: Cultivar uma prática de si no contemporâneo : yoga, um êthos
Autor(es): Rabello, Ernesto Grillo
Orientador: Louzada, Ana Paula Figueiredo
Data do documento: 5-Mai-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Como temos vivido neste tempo que é nosso? Esta pergunta, um dos pólos da filosofia moderna, é o motor deste trabalho e condutor de sua metodologia. No contemporâneo, tal pergunta se volta para as relações entre o capitalismo e a produção de subjetividades, não só a fim de descrever os modos como temos nos produzido, mas também para nos atentarmos às estratégias de produção de outras possibilidades de existência que escapem ao controle e à serialização capitalísticos. Sobre isto versa este texto: como produzir-se hoje? A partir dos trabalhos de Michel Foucault, Gilles Deleuze e Félix Guattari buscamos analisar como temos vivido no contexto do capitalismo contemporâneo (eixos do saber e do poder), bem como buscamos pensar como as práticas corporais podem se constituir como exercícios de liberdade, engendrando novas relações, com relevância política (eixo da ética). Afirmamos que o cultivo de uma prática corporal pode ser um exercício de produção de uma vida com aberturas de autonomia. Para este trabalho, delineamos a prática do yoga como campo de análise, em uma perspectiva genealógica, visto a peculiaridade deste pesquisador-praticante. Buscamos nos trabalhos de Michel Foucault sobre a noção de práticas de si alguns elementos que auxiliem este exercício do pensamento, afirmando a possibilidade da prática de yoga se configurar como produção de um êthos, um modo de vida. Destacamos a relevância deste tipo de movimento no contemporâneo na produção daquilo que Félix Guattari denominou processos coletivos de singularização, ou uma encarnação da vida para si próprio, ao que Gilles Deleuze chamaria de emergência de um novo si como foco de resistência. Neste trabalho realizamos uma pesquisa que percorre criticamente o pensamento ocidental em sua interface com a atuação em psicologia; também uma pesquisa situada no contexto acadêmico contemporâneo; bem como realizamos uma pesquisa que preza pelo rigor conceitual e pela dedicação à abertura dos conceitos para públicos não-acadêmicos. Palavras-chave: capitalismo mundial integrado; subjetividade; práticas de si; yoga; êthos.
What are we at the present time? This question, one pole of modern philosophy, is the main engine of this work and is also the driver of its methodology. Nowadays, this question is directed to the relations between contemporary capitalism and its subjectivity production, not only to determine the ways we are producing ourselves through the global market but also for us to perceive ways of resistance to this production: possibilities of existence that escape from capitalistic control and its serializations. This thesis explores these lines: how can we produce ourselves today? Through Michel Foucault‟s, Gilles Deleuze‟s and Felix Guattari‟s works, we intend to analyze the ways we are living in this contemporary capitalism context (knowledge and power axes), as well as we aim to think how can corporal practices become exercises of freedom, producing new relations with political relevance (ethics axis). Therefore, we affirm that the cultivation of a corporal practice can be a way to exercise a life with spaces for autonomy. For this present work, we delineate the yoga practice as the main field of analysis, in a foucaultian genealogic perspective, given the peculiarity of this researcher-practitioner author. We search in Michel Foucault‟s work about the technologies of the self some elements that help us in this thinking-exercise, thereby affirming the possibility of the practice of yoga to become the production of an ethos, a way of life. We highlight the relevance of this kind of movement nowadays in the way that Felix Guattari called collective processes of singularization or an incarnation of life for oneself, to what Gilles Deleuze would call the emergency of a new self as a resistance focus. In this thesis we aimed to develop a research that explore critically the occidental thought in its interface with psychology; also a research situated in the contemporary academic context; moreover we intended to develop a research that cares for conceptual rigor and for dedication to opening these concepts for non-academic readers.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9011
Aparece nas coleções:PPGPSI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_11111_RABELLO, E.G. - YOGA, UM ÊTHOS - DISSERTAÇÃO DE MESTRADO.pdf2.54 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.