Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9027
Título: A questão do sujeito na psicose e as novas institucionalidades da reforma psiquiátrica
Autor(es): NEVES, M. S.
Orientador: SANTOS, J. L. G.
Data do documento: 17-Abr-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: NEVES, M. S., A questão do sujeito na psicose e as novas institucionalidades da reforma psiquiátrica
Resumo: RESUMO A partir de uma reflexão sobre a reprodução de práticas manicomiais em instituições voltadas à atenção em saúde mental, esta dissertação interroga os elementos pelos quais as novas institucionalidades da reforma psiquiátrica favorecem ou não a emergência do sujeito, tal como definido pela psicanálise. Para isso, primeiramente aborda o trabalho de Freud com as psicoses e a maneira como ele, principalmente a partir do caso Schreber, lança um novo olhar sobre as manifestações sintomáticas da psicose, compreendendo-as não mais como excessos a serem silenciados, mas como uma dimensão que implica o sujeito e que pode sustentar uma tentativa de restabelecimento. Em seguida, com Foucault, delimita o contexto pelo qual a psiquiatria nasce em nossa civilização enquanto um saber médico próprio ao campo das doenças mentais, e como, a partir dela, os hospitais psiquiátricos se constituem como uma proposta de agenciamento social da loucura. Problematiza a eficácia das instituições psiquiátricas e das novas institucionalidades propostas pela reforma psiquiátrica brasileira, analisando, particularmente, os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). E, por fim, examina, com Lacan, a Foraclusão enquanto a operação através da qual o significante Nome-do-Pai falta na constituição do sujeito e responde pela constituição da psicose. E conclui que o trabalho de cernir a condição singular do psicótico na linguagem e no laço social não apenas visa oferecer as condições de tratamento necessárias para o trabalho do sujeito na psicose, como, em um mesmo golpe, faz obstáculo para que as novas instituições da reforma psiquiátrica não reproduzam as práticas manicomiais que, a princípio, foram feitas para combater. Palavras-chave: Psicanálise. Saúde mental. Psicose. Sujeito. Reforma Psiquiátrica.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9027
Aparece nas coleções:PPGPSI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_12036_MAYARA SANAZÁRIO NEVES.pdf933.95 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.