Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9027
Título: A questão do sujeito na psicose e as novas institucionalidades da reforma psiquiátrica
Autor(es): Neves, Mayara Sanazário
Orientador: Santos, Jorge Luís Gonçalves dos
Data do documento: 17-Abr-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: A partir de uma reflexão sobre a reprodução de práticas manicomiais em instituições voltadas à atenção em saúde mental, esta dissertação interroga os elementos pelos quais as novas institucionalidades da reforma psiquiátrica favorecem ou não a emergência do sujeito, tal como definido pela psicanálise. Para isso, primeiramente aborda o trabalho de Freud com as psicoses e a maneira como ele, principalmente a partir do caso Schreber, lança um novo olhar sobre as manifestações sintomáticas da psicose, compreendendo-as não mais como excessos a serem silenciados, mas como uma dimensão que implica o sujeito e que pode sustentar uma tentativa de restabelecimento. Em seguida, com Foucault, delimita o contexto pelo qual a psiquiatria nasce em nossa civilização enquanto um saber médico próprio ao campo das doenças mentais, e como, a partir dela, os hospitais psiquiátricos se constituem como uma proposta de agenciamento social da loucura. Problematiza a eficácia das instituições psiquiátricas e das novas institucionalidades propostas pela reforma psiquiátrica brasileira, analisando, particularmente, os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). E, por fim, examina, com Lacan, a Foraclusão enquanto a operação através da qual o significante Nome-do-Pai falta na constituição do sujeito e responde pela constituição da psicose. E conclui que o trabalho de cernir a condição singular do psicótico na linguagem e no laço social não apenas visa oferecer as condições de tratamento necessárias para o trabalho do sujeito na psicose, como, em um mesmo golpe, faz obstáculo para que as novas instituições da reforma psiquiátrica não reproduzam as práticas manicomiais que, a princípio, foram feitas para combater.
From a reflection about the reprodution of manicomials pratices in institutions focused on mental health attention, this dissertation interrogates the elements through which the new institutions of the psychiatric reform favors or not the emergency of the subject, as it is defined by the psychoanalysis. Therefore, at first it’s approached the work of Freud with the psychoses and the way that him, especially starting from the Schreber case, send a new look above the symptomatic manifestations of the psychose, understanding them no more as excesses to be silenced, but as a dimension that implies the subject and can support na effort of restoration. Then, with Foucalt that delimits the context that the psychiatry borns in our civilization, as a proper medicine knowledge in the mental diseases, and how, starting from them, the hospitals emerge as a proposal of social adjusting of the madness. It problematizes the efficiency of the psychiatric institutions and the new institutionalities suggested by the brazilan psychiatric reform, analysing, in particular, the Centers of Psychosocial Attention (CAPS). And, by the end, it studies with Lacan the Foreclousure as an operation whereby the significant Name-of-Father is missing in the constitution of the subject and it’s responsable for the constitution of psychosis. Until the conclusion that the task of sieving the singular condition of a psychotic person in the language and the social bond don’t intend only to offer conditions of treatment that is needed for working with the subject in psychose, but at the same time, it becomes a obstacle to the new institutions of the psychiatric reform to not reproduce the manicomial practices that, at the beginnig, they were made to fight against .
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9027
Aparece nas coleções:PPGPSI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_12036_MAYARA SANAZÁRIO NEVES.pdf933.95 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.