Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9043
Título: As Representações Sociais da Transposição do Rio São Francisco na Imprensa Escrita Brasileira.
Autor(es): CARVALHO, L. A.
Orientador: Menandro, M.C.S.
Palavras-chave: Representações Sociais
Transposição
Imprensa
Mídia
Rio S
Data do documento: 31-Mar-2015
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: CARVALHO, L. A., As Representações Sociais da Transposição do Rio São Francisco na Imprensa Escrita Brasileira.
Resumo: Na década iniciada no ano 2000 a transposição das águas do rio São Francisco surge como política pública no cenário político brasileiro. Contudo, o projeto foi marcado por diversas polêmicas e a mídia nacional acompanhou todo o seu processo de idealização, ajudando a construir no imaginário social esse objeto social, que reformulado ao passo dos anos se torna inédito para muitos. Visando entender como a mídia compreendeu o fenômeno da transposição, a presente pesquisa objetivou conhecer as representações sociais da transposição do rio São Francisco no jornal Estado de Minas e Jornal da Paraíba nos anos entre 1999 e 2008. A coleta foi realizada via internet nos sites dos próprios jornais. No campo de busca foram utilizados os seguintes descritores: transposição águas rio São Francisco; transposição; rio São Francisco. No Jornal da Paraíba foram coletadas 1346 reportagens e no Jornal Estado de Minas foram coletadas 316, perfazendo um total de 1662 reportagens. Para o tratamento dos dados foi utilizado o software Alceste. A partir dos resultados percebe-se que os discursos contra e favor do projeto da transposição estiveram presentes desde o início do governo FHC (1999-2002) até o final do governo Lula (2003-2008) em ambos os jornais. Dessa forma, os jornais possuem elementos representacionais sobre a transposição semelhantes e discrepantes. Nos discursos contra o projeto, o estado degradado do rio São Francisco objetivado na figura de uma pessoa doente, necessitando de cuidados, aparece nos dois jornais. Contudo, o jornal Estado de Minas acrescenta outros elementos de ancoragem, como o estado do rio em épocas passadas e o secular histórico de obras públicas inconclusas no semiárido nordestino, o que demarca nesse momento uma oposição ao projeto. Em relação aos discursos a favor do projeto, as representações se assemelham no que se refere o desenvolvimento econômico do semiárido nordestino em consequência do projeto da transposição. No entanto, o jornal da Paraíba ressalta elementos representacionais que se ancoram nos efeitos da estiagem, traduzido no fenômeno da seca e objetivados na imagem do nordestino, pobre, sedento de água e retirante, para fundamentar sua posição a favor do projeto. Assim, é possível afirmar que a variável territorial (doador ou receptor das águas) em relação ao fenômeno transposição, determina os conteúdos e as formas das reportagens, orientando representações sociais sobre esse fenômeno. Dito isto, contribuições teóricas acerca dos sistemas de comunicação são sugeridas no decorrer do estudo.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9043
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_7743_CD 2 Dissertação Lauriston Final PDF.pdf1.22 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.