Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9070
Título: De John Wayne a David Beckham - Ressignificações das Masculinidades: Um Estudo em Representações Sociais
Autor(es): CEOTTO, E. C.
Orientador: TRINDADE, Z. A.
Palavras-chave: estética masculina
masculinidade
práticas de autocuidado
Data do documento: 21-Ago-2013
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: CEOTTO, E. C., De John Wayne a David Beckham - Ressignificações das Masculinidades: Um Estudo em Representações Sociais
Resumo: Adquirindo visibilidade e força no século XX, o movimento feminista trouxe diversas mudanças com relação à participação da mulher na sociedade. Estas modificações, que inicialmente foram desprezadas por parte dos homens, foram se consolidando e colecionando conquistas. Os homens se deparam, então, com situações não familiares, o que gera dificuldade em seu relacionamento com esta nova mulher, ocasionando o que os teóricos em masculinidade chamaram de a crise da masculinidade. A história das relações de gênero, baseada em um modelo patriarcal, favorecia a construção de um tipo de masculinidade hegemônica, representada pelo homem forte, viril, heterossexual e dominador. Na última década do século XX surge a figura do homem metrossexual, que se apresenta como um homem preocupado com os cuidados estéticos, com a aparência, visando manter boa aparência, passando a coexistir com o padrão tradicional. Com base na Teoria das Representações Sociais este estudo teve por objetivo verificar a presença de elementos estéticos na representação social de masculinidade e nas práticas de jovens adultos. A pesquisa foi realizada a partir de três estudos: o primeiro estudo teve por objetivo identificar e analisar os elementos constitutivos da representação social de homem, mulher, homem ideal e mulher ideal para 192 estudantes universitários, do sexo masculino. O segundo estudo, documental, foi realizado a partir de uma análise de 44 edições da revista Mens Health Brasil (de 2006 a 2009) com o objetivo de identificar e estudar os elementos de representação social de masculinidade veiculados na revista. Por fim o terceiro estudo, realizado com 384 estudantes universitários de ambos os sexos, o objetivo foi verificar a existência de relação entre as práticas de cuidados com a beleza e de motivação para o autocuidado masculino com as RS dos objetos homem e mulher. O tratamento dos dados foi realizado com o apoio dos softwares Alceste, SPAD-T e SPSS v.18.0. Os dados de evocação foram processados pelo método TISCON. Os resultados indicam que os elementos de representação social (RS) de homens e mulheres apresentam características hegemônicas, sendo o homem representado com atributos como provedor, forte e viril e a mulher com características de cuidadora, carinhosa e afetiva. As RS de homem ideal aparecem projetadas na ideia de que além de provedor, o homem também deve ser bonito, inteligente, educado e fiel. No estudo documental, foi identificada uma possível mudança no padrão de masculinidade, quando comparado com o padrão hegemônico. As RS de masculinidade estão associadas a práticas de sedução e estética, cuidados com o corpo e homem antenado, em que são observadas novas práticas associadas aos homens, tais como ligadas à culinária, incentivo à leitura e dicas de cds e dvds, buscando um aumento do padrão intelectual por parte dos homens. Com relação ao estudo da relação entre RS e práticas, apesar de índices de correlação baixos, os resultados indicam práticas de motivação para o autocuidado masculino, em que ficar belo é caracterizado pelos homens como o principal motivo para o autocuidado. Os resultados gerais levam a uma discussão sobre a relação entre representações e práticas, indicando que a incorporação de práticas estéticas podem gerar uma nova representação social de masculinidade, com afastamento do modelo hegemônico.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9070
Aparece nas coleções:PPGP - Teses de doutorado



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.